Rating: 3.6/5 (3179 votos)




ONLINE
5




Partilhe este Site...

   

 

   


DIOCESE DE MOGI DAS CRUZES
DIOCESE DE MOGI DAS CRUZES

Diocese de Mogi das Cruzes celebra a padroeira Sant’Ana

Entre os dias 17 a 26 de julho, a Diocese de Mogi das Cruzes celebra a festa da padroeira Sant’Ana. A novena com a Santa Missa é entre os dias 17 a 25 de julho, com as celebrações às 19h, na Catedral Diocesana Sant’Ana.

A missa de abertura da novena na segunda-feira, dia 17, será presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini. O bispo emérito da Diocese, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, celebra na terça-feira, dia 25.

Na quarta-feira, dia 26, Solenidade de São Joaquim e Sant’Ana, pais de Maria Santíssima, às 16:00, os fiéis sairão em procissão pelas ruas centrais da cidade e em seguida, a missa de encerramento e em louvor a padroeira na Catedral Sant’Ana presidida pelo bispo diocesano.

A festa social com quermesse acontece entre os dias 17 a 26 de julho, a partir das 18:00.

Neste ano, os festeiros são o diácono permanente Valmir Donizeti Pereira e a esposa Cleusa Santiago Pereira, e os capitães de mastro, o casal Villas Mendes Guimarães e Ana Maria da Costa Guimarães.


Romaria Diocesana ao Santuário Nacional de Aparecida

Neste sábado, dia 15 de julho, a Diocese de Mogi das Cruzes promove a Romaria Anual ao Santuário Nacional de Aparecida, em Aparecida/SP. O bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, irá concelebrar a missa das 9:00, no altar central da Basílica.

Às 11:00, será rezada a oração do terço na Tribuna Bento XVI (palco central do Santuário).

As paróquias do Alto Tietê se organizam para este momento de comunhão e unidade e cercam de 2500 fiéis da Diocese devem participar.


Missa de Corpus Christi, às 9:00, na Catedral Sant’Ana,

será presidida pelo bispo diocesano

Nesta quinta-feira, dia 15, Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, Corpus Christi, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, preside a Santa Missa, às 9h, na Catedral Diocesana Sant’Ana. Após a celebração eucarística, os fiéis saem em procissão pelas ruas centrais da cidade.

A Festa de “Corpus Christi” é quando a Igreja comemora solenemente o Santíssimo Sacramento da Eucaristia, presença real e sacramental de Cristo, e foi criada em 1264 pelo Papa Urbano IV, quando aprovou a Bula “Transiturus de hoc mundo”, em que prescreveu que na 5ª feira após a Solenidade da Santíssima Trindade (que em 2017, celebração do último domingo, dia 11 de junho), fosse oficialmente a festa em honra do Corpo do Senhor.

Na solenidade, o Santíssimo Sacramento é levado em procissão pelas ruas e os fiéis agradecem e louvam a Deus pelo inestimável dom da Eucaristia, na qual o próprio Senhor se faz presente como alimento e remédio de nossa alma. A Eucaristia é fonte e centro de toda a vida cristã. Nela está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, o próprio Cristo.

Em muitos lugares criou-se o costume de enfeitar as ruas com tapetes ornamentados, tudo em honra do Senhor que vem visitar o seu povo.

Outros horários de missas na Catedral no dia: 12:00 e 19:30.


Arujá – SP

Almoço de confraternização

Aconteceu na manhã de domingo 29 de maio na Casa de Retiros Nossa Senhora Aparecida na cidade de Arujá um almoço de confraternização em comemoração ao mês das mães.

O almoço contou com a participação de mães e familiares além da presença dos Padres Rafael Vizcaíno, Mairon Gavlik Mendes e do Reitor Padre André.


Tradição em Mogi das Cruzes - SP

Doces da Festa do Divino começam a ser produzidos

Os doces da Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes, que tanto sucesso fazem na Quermesse, já começaram a ser produzidos na Associação Pró-Festa do Divino, a Casa da Festa, no Mogilar. Agora, até o fim da festividade religiosa e folclórica, que terá início no dia 25 de maio e se estenderá até 4 de junho, a produção não para mais. Os salgados começarão a ser feitos a partir do dia 20 de maio.

No momento, as “abelhinhas do Divino” – devotas que se dedicam à produção dos doces e salgados – fazem um trabalho de formiguinha e estão com a atenção voltada para a confecção dos doces de mamão e laranja. “O grupo ainda está reduzido, porque há muitas senhoras que também são voluntárias em outras festas religiosas que estão ocorrendo na Cidade”, diz Maria de Macedo Prado Rodrigues, a Cidinha. Desde 1993 ela trabalha na confecção dos doces da Festa do Divino - começou como ajudante de dona Pedra Fernandes (já falecida) e hoje é a responsável pelos doces. A coordenação geral é de Márcia Andere. De acordo com ela, a partir da semana que vem o grupo começa a aumentar e pode chegar a até 70 voluntárias.

Os primeiros doces são o de mamão e de laranja, que exigem um tempo de preparo com mais antecedência e que podem ficar armazenados. Eles ficam guardados em câmaras frias. “O processo do preparo do doce de laranja, por exemplo, é mais longo. Só para se ter uma ideia, a casca da fruta, que é a matéria-prima do doce, tem de ficar de 8 a 10 dias de molho”, comenta Cidinha. Segundo ela, o trabalho é bem artesanal mesmo.

Além desses dois doces, a barraca comercializa os de abóbora, batata doce, sagu e arroz doce. Os doces de abóbora – o mais vendido na Quermesse - e os de batata doce começam a ser confeccionados a partir da semana que vem, provavelmente, já na quarta-feira (03/05). Já os de arroz doce e o sagu são feitos no dia 25 de maio, quando começa a festa, porque, segundo Cidinha, eles não podem ficar muito tempo guardados.

A voluntária Cidinha ressalta que os interessados em fazer doação dessas duas frutas – mamão e laranja - podem entrar em contato com a Associação, pelo telefone (11) 4790-6835 ou deixar os produtos na sede da entidade, na Avenida Francisco Rodrigues Filho, 1.232, no Mogilar.

Neste ano, o tema do evento é “Divino Espírito Santo, guiai o nosso caminho na fé e na unidade”. Os festeiros são João Pedro dos Santos Oliveira e Márcia Regina Pauletti Oliveira e o casal de capitães de mastro é Sérgio Paschoal Gomes e Nilde de Lima Gomes.


Tradição

Subimpérios do Divino são abençoados em Mogi 

Os subimpérios, altares em louvor ao Divino Espírito Santo, continuam sendo montados e abençoados em Mogi das Cruzes. Até dias antes do início da Festa do Divino Espírito Santo eles são abertos em vários locais da cidade, como escolas, hospitais, empresas e órgãos públicos, com a presença dos festeiros e ex-festeiros.

Duas escolas inauguraram os seus respectivos altares na tarde desta sexta-feira (28/04), o Colégio Gaspar Vaz, no Mogilar, e a Escola Estadual Lucinda Bastos, no Conjunto Santo Ângelo.

A diretora pedagógica do Colégio Gaspar Vaz, Teresa Lucia dos Anjos Brandão, recebeu a festeira Marcia Regina Pauletti Oliveira e as ex-festeiras Maria Tereza Cassola e Márcia Andere, atualmente coordenadora dos Subimpérios. O padre Diogo Shishito, um dos assessores eclesiásticos da Festa do Divino, abençoou o altar e todos os funcionários, alunos e pais de alunos que participaram da solenidade, que teve apresentação de cânticos tradicionais, como a “Bandeira do Divino” e “Eu Navegarei”, com bandeirinhas em mãos.

A coordenadora dos Subimpérios, Márcia Andere, explicou que a visita da Bandeira do Divino aos locais que montam os seus altares em homenagem ao Espírito Santo é uma tradição e que essa caminhada faz parte da festa: “O que esse momento significa? Representa a fé maravilhosa que o povo mogiano tem no Divino. Significa que a festa está chegando”. Neste ano, o evento religioso ocorrerá de 25 de maio a 4 de junho.

Na oportunidade, o padre Diogo Shishito lembrou que a Festa do Divino, embora seja realizada durante 11 dias, é uma festa que dura o ano todo por meio das atividades que ocorrem no período pré-festa. “Ela tem duas características, a cultural e a religiosa. O Divino é a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, que é Deus, e por isso a fé do Divino está ligada a Pentecostes, que relembra o momento que o Pai enviou o Espírito Santo aos Apóstolos. A força do Espírito Santo caminha conosco o ao todo por meio da Festa do Divino”, sintetizou o padre aos alunos da escola.

A festeira Marcia, por sua vez, lembrou que ela sempre participa da abertura do Subimpério no Colégio Gaspar Vaz, mas que este ano é especial porque agora ela está na solenidade como festeira. “As visitas aos Subimpérios são bem emocionantes, cada local tem a sua peculiaridade, e aqui temos a emoção de saber que foram os próprios alunos que confeccionaram os móbiles para decorar o altar. Dessa forma vocês também estão participando da Festa. Como diz o nosso bispo diocesano (dom Pedro Luiz Stringhini), a fé é o ponto de partida e a unidade é o ponto de chegada”, destacou a festeira. O tema deste ano é “Divino Espírito Santo, guiai nosso caminho na fé e na unidade”.  

Ao fim da solenidade, a diretora pedagógica da escola, Teresa Lucia, disse se sentir emocionada por dar continuidade a uma tradição tanto da escola como da festa: “É uma honra receber essas bênçãos. Preparamos tudo com muito carinho e com o envolvimento de todos os alunos do colégio, dos dois períodos”, comentou.      

O agendamento das visitas dos festeiros e capitães de mastro até o local onde há um Subimpério deve ser feito previamente na Associação Pró-Festa do Divino, pelo telefone (11) 4790-6835.


Diocese de Mogi das Cruzes - SP

FELIZ PÁSCOA!

Cristo ressuscitou, aleluia, aleluia! A cada ano, na Páscoa, os cristãos católicos celebram solenemente a vitória de Cristo sobre o sofrimento e a morte. Desta vitória, que Deus Pai concedeu ao seu Filho unigênito, todo ser humano é chamado a participar. A ressurreição de Cristo já é a nossa vitória, pois, se com Cristo morremos, com Ele ressuscitaremos (Rm 6,8).

A fé na ressurreição possibilita, já nesta vida, celebrar e testemunhar a verdade que salva o mundo, libertando o ser humano do egoísmo e do pecado e tornando-o participante da vida divina. Cristo ressuscitado continua iluminando os corações e dissipando as trevas do mal que, nos dias atuais, parece ter envolvido os corações humanos e as estruturas sociais.

Celebrar a Páscoa na liturgia da Igreja é proclamar que a aurora de um novo tempo continua despontar, como o amanhecer radiante daquele primeiro dia em que, aos pés do sepulcro vazio, a esperança renasceu no coração das mulheres e dos discípulos. Este é o dia que o Senhor fez para nós; alegremo-nos e n’Ele exultemos (Sl 117,24).

Com esses sentimentos, desejo que os votos de feliz e santa Páscoa cheguem a todos os corações, às famílias, especialmente aos enfermos, aos fiéis das paróquias e capelas e aos cidadãos de nossa diocese. Deus abençoe o todo empenho na defesa da vida e esteja com todos a paz do Cristo ressuscitado!

Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo Diocesano


Mogi das Cruzes - SP

Jantar Pró-Divino tem convites à venda 

Tradicional evento em prol da Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes ocorrerá no dia 20 de abril e terá Frango à Basilicata como o prato principal

Já estão à venda os convites para o Jantar Pró-Divino, em prol da Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes, que ocorrerá no dia 20 de abril, às 20 horas, no Salão Social do Clube de Campo. O evento, que ocorre sempre um mês antes do início da festa, conta com a participação voluntária dos parceiros Valdir Stilhano, chef que prepara o prato principal da noite – Frango à Basilicata; Danielle Ferreira Assessoria e Alpes Buffet, que dão todo o respaldo na organização do jantar; Guilherme Dela Plata, responsável pela banda que animará musicalmente o acontecimento; e o Studio de Dança Baila Comigo. O convite custa R$ 45,00 e pode ser adquirido na loja Toda Sua (avenida Capitão Manoel Rudge, 1.205) e na Beauty Brasil (rua Prof. Flaviano de Melo, 1.329). Bebidas e sobremesas serão cobradas à parte.

O jantar é mais um dos muitos eventos promovidos antes do início de uma das festividades mais importantes da Igreja Católica na Região do Alto Tietê e importante para angariar recursos para o evento. “Contamos com a presença de todos os devotos nessa noite especial. É um momento de confraternização, de reunir os amigos para festejar, a pouco mais de um mês da Festa do Divino. Estamos trabalhando muito intensamente nos últimos dias e contado com a ajuda de muitas pessoas. Só temos a agradecer o carinho”, enfatizam os festeiros João Pedro dos Santos Oliveira e Márcia Regina Pauletti Oliveira.

Os capitães de mastro Sérgio Paschoal Gomes e Nilde de Lima Gomes, por sua vez, ressaltam a importância do voluntariado, algo muito presente na Festa do Divino: “As pessoas são sempre muito solicitas, querem ajudar. Já esperávamos por isso, mas nos surpreendemos mais ainda”.

Neste ano, a Festa do Divino será realizada entre os dias 25 de maio e 4 de junho, sob o tema “Divino Espírito Santo, guiai nosso caminho na Fé e na Unidade”.

Subimpério

Os altares em louvor ao Divino Espírito Santo, os subimpérios, já começam a ser montados e abençoados na Cidade.

Nesta semana, a Secretaria da Mulher, no Mogilar, abre o seu, às 9h30. Já o Colégio Gaspar Vaz, também no Mogilar, inaugura o seu altar no dia 28 de abril, às 13 horas. No dia 10 de maio, é a vez do Instituto Dona Placidina abrir o seu subimpério, às 14h30, e a Prefeitura de Mogi, no 19 de maio.

Os subimpérios são parte da tradição da festa e montados em vários locais da cidade, como escolas, hospitais, empresas e órgãos públicos.O agendamento das visitas dos festeiros e capitães de mastro até o local devem ser agendadas previamente na Associação Pró-Festa do Divino, pelo telefone (11) 4790-6835.


Mogi das Cruzes - SP

Celebrações do Tríduo Pascal tem início

nesta quinta-feira, dia 13

Igreja Católica celebra a Paixão, a morte e a Ressurreição de Jesus Cristo

No dia 13 de abril, Quinta-feira Santa, iniciam as celebrações do Tríduo Pascal: a Paixão, a morte e a Ressurreição de Jesus Cristo. Pela manhã, às 9:00, na Catedral Sant’Ana, é celebrada a Missa do Crisma (Missa dos Santos Óleos) e Renovação das Promessas Sacerdotais, presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini e concelebrada por todo o clero da Diocese de Mogi das Cruzes.

Durante a Missa Crismal, há a consagração do óleo do Crisma e a benção dos óleos dos Catecúmenos (utilizados no Batismo) e dos Enfermos, que serão utilizados durante o ano nas paróquias na ministração dos sacramentos.  E os presbíteros renovam as promessas sacerdotais, os votos perante a Igreja e o compromisso com Deus e a sociedade.

Também, na Quinta-Feira Santa é celebrada a Ceia do Senhor (Lava-pés), que recorda a última ceia de Cristo com os apóstolos antes da crucificação, é a instituição da Eucaristia e do Sacramento da Ordem, presente na ação do serviço (o lavar os pés é um símbolo de estar a serviço). O bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, irá presidir às 19:30, na Catedral Sant’Ana.

No dia 14, Sexta-Feira da Paixão de Cristo, dia de Jejum e abstinência – única data do ano em que não há missas na Igreja Católica – é a Celebração da Paixão do Senhor e Adoração da Cruz, às 15:00, na Catedral Diocesana Sant’Ana, com Dom Pedro Luiz Stringhini. Às 19:00, o bispo diocesano participa da Procissão do Senhor Morto, que sai da paróquia Nossa Senhora do Carmo, na região central de Mogi das Cruzes, em direção à Catedral.

No Sábado Santo, dia 15 de abril, a Missa da Vigília Pascal (Celebração da Luz e Renovação das Promessas Batismais), presidida por Dom Pedro Luiz Stringhini é às 20:00, na Catedral Sant’Ana. É a celebração mais importante do calendário litúrgico da Igreja Católica, quando a Igreja se coloca em vigília à espera da vitória de Jesus sobre a morte.

No domingo da Páscoa da Ressurreição do Senhor, dia 16, o bispo diocesano celebra às 9:00, na Catedral Sant’Ana, e às 19:30, na Comunidade Nossa Senhora das Graças e São Benedito, no bairro Vila Brasileira, em Mogi das Cruzes.


Fé e tradição em Mogi das Cruzes

Coroa do Divino terá a última reza neste sábado

Devotos se reúnem na Associação Pró-Festa do Divino, às 15 horas, para a nona coroa, que será conduzida pelo bispo diocesano de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Stringhini e pelo padre Rogério de Oliveira, um dos assessores eclesiásticos da festividade religiosa

A pouco mais de um mês para a realização da Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes, neste sábado, às 15 horas, ocorre a 9ª Coroa do Divino, seguida de chá-bingo, na Associação Pró-Festa, no Mogilar. Esta será a última ‘Coroa’ de uma série de nove rezas, que vem sendo realizada sempre no segundo sábado de cada mês, desde agosto de 2016. Haverá prêmios especiais nas rodadas de bingo, como celulares e uma televisão de 32 polegadas.

A ‘Coroa’ será rezada pelo bispo diocesano de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Stringhini, e pelo padre Rogério de Oliveira, vigário paroquial da Catedral de Sant'Anna, um dos assessores eclesiásticos da Festa do Divino. Os outros dois são os padres Cláudio Antônio Delfino, pároco da Catedral, e o Diogo Shishito, vigário paroquial da Paróquia Cristo Rei. Além do padre Rogério, a Coroa conta com a participação de um grupo de rezadeiras. Neste ano, a Festa do Divino ocorrerá entre os dias 25 de maio e 4 de junho, tendo como tema “Divino Espírito Santo, guiai o nosso caminho na Fé e na Unidade”. Os festeiros são João Pedro dos Santos Oliveira e Márcia Regina Pauletti Oliveira e os capitães de mastro Sérgio Paschoal Gomes e Nilde de Lima Gomes.

Após a solenidade, os devotos são servidos com chá, biscoitos e bolos e começam as rodadas de bingo, com boas prendas, conforme observam os festeiros e capitães de mastro. As cartelas com duas rodadas especiais são vendidas pelos voluntários e custam R$ 6,00.
A festeira Márcia relata que dentre os prêmios haverá dois celulares, um para ser sorteado na cartela do convite e outro em uma rodada extra. Além disso, antecipa a festeira, ao final do bingo será feito o sorteio de um televisor de 32 polegadas em que concorrerão todo os participantes das novenas e que participaram dos bingos e depositaram nas urnas o folhetinho com os seus respectivos dados​.

“Nós só temos a agradecer a todos os participantes da novena, que estiveram conosco mensalmente, nos apoiando e fortalecendo-nos. E depois de quase um ano de preparação, a nossa Festa do Divino se aproxima. Ainda estamos trabalhando para que tudo corra da melhor maneira possível, sempre pensando na questão religiosa e cultural dessa festividade, uma das mais tradicionais da nossa Cidade e até do Estado de São Paulo”, destaca o casal de festeiros Márcia e João Pedro, felizes por estarem cumprindo bem essa missão, para eles, prazerosa e enriquecedora.

Os capitães de mastro, por sua vez, fazem um convite a todos os devotos a participarem da Coroa e depois do chá-bingo, um momento de reza e descontração. “Como será a última Coroa, teremos o sorteio de prêmios especiais. Esses encontros mensais vão deixar saudade, mas não podemos esquecer que eles são apenas uma parte, uma preparação para o que ainda está por vir nos próximos dias antes e durante a Festa do Divino”, salientam Nilde e Sérgio.

A Associação Pró-Festa do Divino fica na Avenida Francisco Rodrgiues Filho, 1.232. Quem for de carro até a associação pode estacioná-lo no espaço do Tiro de Guerra (ao lado da entidade), que cedeu o local gratuitamente. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: (11) 4790-6835.


Mogi das Cruzes - SP

Festa do Divino tem apoio confirmado pela Prefeitura

O prefeito Marcus Melo, acompanhado de seu vice, Juliano Abe, recebeu os festeiros, capitães de mastro e o bispo diocesano, na tarde desta quarta-feira, em seu gabinete

O prefeito de Mogi das Cruzes, Marcus Melo, reafirmou o apoio que a Administração Municipal dará à Festa do Divino Espírito Santo de 2017, que será realizada de 25 de maio a 4 de junho e está em sua 404ª edição. Na oportunidade, também foi definida a abertura do Subimpério da Prefeitura, que será abençoado no dia 19 de maio, em solenidade marcada para as 16h30.         

Participaram da reunião, na tarde de quarta-feira (29/03), no gabinete do prefeito, os festeiros deste ano João Pedro dos Santos Oliveira e Márcia Regina Pauletti Oliveira e os capitães de mastro Sérgio Paschoal Gomes e Nilde de Lima Gomes; o bispo diocesano, dom Pedro Luiz Strnghini, e o presidente da Associação Pró-Festa do Divino, Josmar Cassola. A temática da festa é: “Divino Espírito Santo, guiai o nosso caminho na Fé e na Unidade”.

O respaldo estrutural vem por meio de diversas secretarias, como Segurança, Serviços Urbanos, Desenvolvimento Econômico e Social e Transportes, algo que vem sendo feito já há um bom tempo por parte da Prefeitura Municipal. “Eu assumo o compromisso em ajudar, como ocorre todos os anos. Dias desses em São Paulo, até citei a Festa do Divino em uma entrevista para a TV Assembleia SP [canal do Poder Legislativo Paulista], falando sobre a importância dela não só para a Cidade, mas como também para o Estado. Ela é uma festividade religiosa muito tradicional e merece ser divulgada amplamente”, destaca o prefeito mogiano, que está em seu primeiro ano de mandato.

De acordo com ele, é importante garantir a segurança da população que prestigia o evento, na quermesse, na Entrada dos Palmitos e na procissão de Pentecostes, por exemplo. Melo citou, ainda, o fato de Mogi das Cruzes ser o ponto de partida da Rota da Luz de São Paulo, caminho que leva os peregrinos até o Santuário de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida, no Vale do Paraíba, o que pode fazer de Mogi um centro turístico nesse segmento. O presidente da Associação Pró-Divino aproveitou para ressaltar que a Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes deverá ser incluída na Rota da Luz. “Já nos reunimos com a primeira-dama Lu Alckmin, madrinha do projeto do Governo do Estado. A Associação Pró-Divino pretende, ainda, fazer uma caminhada para levar a Bandeira do Divino até Aparecida”, diz Josmar, lembrando que tudo ainda está em estudo.  

Para os festeiros, o apoio estrutural da Prefeitura é de grande importância, já que a festa cresce ano a ano: "A reunião foi bem produtiva e positiva para todos nós. A festa é grandiosa e precisa desse apoio da Prefeitura, para que possamos oferecer aos devotos um evento mais seguro".

O prefeito também garantiu presença, no "Jantar Pró-Divino", a ser realizado no dia 20 de abril, no Salão Social do Clube de Campo de Mogi das Cruzes, que terá como prato principal o Frango à Basilicata, preparado pelo chef Valdir Stilhano. 


LUTO NA IGREJA CATÓLICA

Pe. João de Oliveira Rosa Filho

28/06/1930 - 21/03/2017

João de Oliveira Rosa Filho nasceu em Mogi das Cruzes, em 28 de junho de 1930, filho de João de Oliveira Rosa e Antônia Trindade Rosa. Com 10 anos, já demonstrava interesse pelas coisas da Igreja, e fez a Primeira Comunhão no Natal de 1940.

Em 1943, fez um teste para estudar no Seminário Metropolitano de São Paulo, em Pirapora do Bom Jesus, onde completou o colegial (atual Ensino Médio). Em 1950, ingressou no Seminário Central, no bairro do Ipiranga, na capital paulista, e fez o curso de Filosofia. Em 1952, foi indicado para fazer a teologia na Pontifica Universidade Gregoriana, em Roma. Em agosto daquele ano, viajou de navio até a capital italiana, onde deu início ao curso de Teologia e terminou em 1956. Naquele mesmo ano, ainda na Itália, foi ordenado diácono pela imposição das mãos de Dom Paulo Rolim Loureiro, quando ele ainda era bispo auxiliar de São Paulo.

A ordenação sacerdotal foi no dia 04 de novembro de 1956, na Catedral da Sé, em São Paulo. No dia 08 de dezembro, celebrou a primeira missa em Mogi das Cruzes, na Igreja Sant’Ana, onde ficou como vigário paroquial.

Em 1958, no dia 1º janeiro, tomou posse como pároco na Paróquia Nossa Senhora da Escada e São Benedito, em Guararema.

Exerceu vários Ofícios Eclesiásticos em nossa Diocese. No período da vacância em 1975, a Diocese de Mogi das Cruzes foi administrada pelo Pe. João de Oliveira Rosa Filho, nomeado vigário capitular pelo Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo de São Paulo. Foi de chanceler do bispado na Diocese por mais de 25 anos, também, professor no Instituto de Filosofia e Teologia Paulo VI, hoje Faculdade Paulo VI, capelão no Hospital Dr. Arnaldo Pezzuti Cavalcanti, diretor espiritual e capelão das religiosas da Congregação das Irmãs Ursulinas da Sagrada Família.

E exerceu o ministério presbiteral nestas paróquias:

- Paróquia Nossa Senhora da Escada e São Benedito, em Guararema;

- Paróquia São José, em Salesópolis;

- Paróquia Nossa Senhora do Carmo, no distrito de Sabaúna, em Mogi das Cruzes;

- Paróquia São Bento do Parateí, em Guararema;

- Santuário Diocesano Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito, em Mogi das Cruzes;

- Paróquia São Sebastião, Vila São Sebastião, em Mogi das Cruzes;

- Paróquia São João Batista, Jardim Camila, em Mogi das Cruzes;

- Paróquia Santo Antônio, Mogi Moderno, em Mogi das Cruzes;

- Paróquia Sagrado Coração de Jesus - Santuário Diocesano, Alto do Ipiranga, em Mogi das Cruzes;

- Paróquia Santa Cruz, Ponte Grande, em Mogi das Cruzes;

- Paróquia São José Operário, no distrito de Jundiapeba, em Mogi das Cruzes;

- Paróquia São José Operário, Mogilar, em Mogi das Cruzes;

Paróquia Nossa Senhora do Rosário, Vila Industrial, em Mogi das Cruzes.


Tradição em Mogi das Cruzes

Bispo abençoa o primeiro subimpério do Divino

Em uma cerimônia marcada por rezas e cânticos, dom Pedro Luiz Stringhini inaugurou altar em louvor ao Espírito Santo na Faculdade Paulo VI, com festeiros e capitães de mastro

A Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes ganhou na manhã de segunda-feira (21/03) o seu primeiro subimpério, instalado na Faculdade de Filosofia e Teologia Paulo VI, no Mogilar. Os subimpérios são parte da tradição da festa e montados em vários locais da cidade, como escolas, hospitais, empresas e órgãos públicos.

Participaram da solenidade, conduzida pelo bispo diocesano de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Stringhini, e pelo padre Cláudio Antônio Delfino, pároco da Catedral de Santana, reitor da faculdade e um dos assessores eclesiásticos da festividade religiosa; os festeiros João Pedro dos Santos Oliveira e Márcia Regina Pauletti Oliveira e os capitães de mastro Sérgio Paschoal Gomes e Nilde de Lima Gomes; diretores e coordenadores da Associação Pró Divino, padres, seminaristas e professores da instituição de ensino.

Durante a cerimônia, o bispo destacou que, apesar de a Festa do Divino estar se aproximando, ela dura o ano todo: “Essa festividade religiosa, de devoção, folclórica e cultural tem uma dinâmica bem interessante porque ela é planejada em 12 meses até chegar no seu ponto alto, a novena de Pentecostes. A abertura dos subimpérios em vários pontos do Município marca o início da caminhada de fé dos festeiros e capitães de mastro anunciando que a festa se aproxima”. Ele ressaltou, ainda, que abrir o subimpério na Faculdade Paulo VI, e pela primeira vez no prédio novo, é uma tradição que já dura 24 anos. “Eu peço que o Divino ilumine os nossos corações e guie o nosso caminho na fé e na unidade, como sugere o tema deste ano: ‘Divino Espírito Santo, guiai o nosso caminho na

Emocionado, o casal de festeiros enfatizou que é um momento bem importante, de pontapé-inicial: “A partir de agora, começamos a sentir que a festa está chegando e assim vamos nos preparando para essa trajetória. A festa exige um envolvimento muito intenso durante todo o ano, mas é agora que ela começa a ganhar forma, com a visita das bandeiras aos altares que serão montados pela Cidade”.

Os capitães de mastro, por sua vez, destacaram que é uma honra poder fazer parte deste momento e entrar para a história da Festa do Divino, que neste ano será realizado pela 404ª vez. “Por esta razão, convidamos a todos que não deixem de participar da Festa do Divino. Por meio dessa inauguração, iniciamos o despertar dessa devoção que perdura há tanto tempo e que deve ser levada adiante”, comentam Sérgio e Nilde.

O ato inaugural contou com a participação dos estudantes da instituição de ensino, que se encarregaram de acender as sete velas do candelabro, o ‘menorá’, representando os sete dons do Divino: Fortaleza, Ciência, Conselho, Sabedoria, Piedade, Entendimento e Temor de Deus. Além disso, um grupo de jovens entoou a canção símbolo da festividade, “Bandeira do Divino”, de Ivan Lins, emocionando ao público.

O agendamento das visitas dos festeiros e capitães de mastro ao local pode ser feito pelo telefone (11) 4790-6835, na Associação Pró-Festa do Divino.

Neste ano, a Festa do Divino ocorrerá de 25 de maio a 4 de junho. 

Mogi das Cruzes

Dom Pedro Luiz Stringhini completa 16 anos como bispo

Nesta sexta-feira, dia 10, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, completa 16 anos de Ordenação Episcopal. Às 19h30, missa de Ação de Graças na Catedral Diocesana Sant’Ana.

Dom Pedro Luiz Stringhini foi ordenado bispo pelo então arcebispo metropolitano de São Paulo, cardeal Cláudio Hummes, em 10 de março de 2001, e tem como lema episcopal “Em resposta a Tua Palavra” (Lc 5,5).

Natural de Laranjal Paulista, no Estado de São Paulo, nasceu no dia 17 de agosto de 1953, foi ordenado sacerdote pela imposição das mãos de Dom Paulo Evaristo Arns, em 09 de agosto de 1980. Entre 2001 e 2009, Dom Pedro Luiz Stringhini foi bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo. Em 30 de dezembro de 2009, foi nomeado pelo então Papa Bento VXI, como bispo da Diocese de Franca, onde permaneceu até novembro de 2012, quando tomou posse na Diocese de Mogi das Cruzes (em 19 de setembro, nomeado bispo da Diocese de Mogi das Cruzes e no dia 24 de novembro, posse como o quinto bispo da Diocese).


MATA ATLÂNTICA

A Campanha da Fraternidade, em 2017, realiza a sua 54ª edição e traz como tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema: “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15). Com essa edição, já somam, desde 1979, oito campanhas sobre ecologia e meio ambiente, com os temas: preserve o que é de todos, terra, povos indígenas, água, Amazônia, a vida no Planeta, saneamento básico e biomas brasileiros.

Bioma é um conjunto de vida vegetal e animal com condições de clima semelhantes, que resultam em diversidade biológica própria. No Brasil, um bioma é formado por todos os seres vivos de uma determinada região, cuja vegetação é similar e contínua, cujo clima é mais ou menos uniforme, e cuja formação tem uma história comum. O Brasil conta com seis biomas: Mata Atlântica, Amazônia, Cerrado, Pantanal, Caatinga e Pampa.

A Mata Atlântica acompanha toda a costa litorânea brasileira. No Estado de São Paulo, circunda toda a região metropolitana, onde se apresenta com a beleza e exuberância da flora, a variedade de espécies da fauna, a riqueza dos produtos agrícolas, árvores frutíferas, os rios e a presença de diversos povos e culturas. Infelizmente, no Brasil, cerca de noventa por cento da mata atlântica foi retirada, ainda hoje há espécies de em extinção e muita degradação. De fato, o verde das matas diminui na medida em que se avança no interior do Estado e a aridez aumenta, sobretudo devido ao plantio de cana-de-açúcar, eucalipto e outros fatores.

Árvores que caracterizam a mata atlântica são, em primeiro lugar o Manacá da Serra, seguido das quaresmeiras roxa e rosa, paineira, pau-brasil, jacarandá mimoso, acácias de diversas cores, entre elas a amarela aleluia. O ipê, árvore do Brasil, marca presença com suas cores variadas: roxo, amarelo, rosa e branco. O manacá da serra, quando floresce, no início do ano, proporciona para o observador atento que percorre as estradas (Anchieta, Imigrantes, Índio Tibiriçá, Rodoanel), um espetáculo de rara beleza, seja pela delicadeza de suas cores, seja pelo seu tríplice colorido, visto que sua flor nasce branca e vai tomando, pela ação do sol, a coloração rosa e roxa, tudo isso numa mesma árvore.

Os povos originários desse bioma e os tradicionais grupos humanos que integram os manguezais e suas culturas estão em sintonia com a fauna e flora. São as populações praieiras, quilombolas, remanescentes indígenas, os ‘caiçaras’, pescadores, ribeirinhos, além da imensa concentração populacional urbana. Existe uma consciência ecológica resultante de valores ancestrais de matriz africana e indígena harmonizada pelo e com o catolicismo popular.

As campanhas de cunho ecológico buscam fortalecer, à luz da fé, o empenho pela implantação de políticas públicas que garantam a integridade e o futuro da casa comum, o Planeta Terra. E também suscitar na sociedade atitudes responsáveis de defesa da vida humana e sua dignidade.

Dom Pedro Luiz Stringhini

Mogi das Cruzes, 02 de março de 2017


Quarta-feira de Cinzas e abertura da Campanha

da Fraternidade 2017 na Diocese de Mogi das Cruzes

Na próxima quarta-feira, dia 1º de março, às 19:30, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, preside a missa de Quarta-feira de Cinzas e abertura da Campanha da Fraternidade 2017 (CF 2017) na Diocese de Mogi das Cruzes, dando início ao tempo quaresmal. A celebração será na Catedral Sant’Ana, localizada à Praça Coronel Benedito de Almeida, s/nº, em Mogi das Cruzes.

Neste ano, a Campanha da Fraternidade (CF) reflete o tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”, com o lema “Cultivar e guardar a criação”, a iniciativa traz novamente uma reflexão sobre o meio ambiente e sugere uma visão global das expressões da vida e dos dons da criação. 

Segundo o texto-base da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o objetivo geral da CF 2017 é “cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho”. Em 2017, o tema continua em comunhão com aEncíclica do Papa Francisco, “Laudato Si”, do cuidado da Casa Comum, missão que não deve ser esquecida, e é papel da Igreja ser instrumento e auxílio na conversão pessoal e comunitária dos fiéis e assim, fazer deste cuidado um trabalho conjunto.

E com o início da Quaresma – que recorda os 40 dias de Jesus no deserto, em oração, sem se alimentar e resistindo às tentações –, a Igreja Católica orienta aos fiéis que pratiquem o jejum, a esmola e a oração, pois é um tempo forte de conversão.

Outros horários de missas na quarta-feira de Cinzas (01/03),

na Catedral Sant’Ana: 8:00 e 12:00

Sessão Solene de lançamento da CF 2017

na Câmara Municipal de Mogi das Cruzes

Na quinta-feira, dia 2, às 20:00, a Câmara Municipal de Mogi das Cruzes promove a Sessão Solene do lançamento do tema da Campanha da Fraternidade 2017, com a presença do bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, na Sede do Poder Legislativo, localizada na Avenida Vereador Narciso Yague Guimarães, 381, no Centro Cívico, em Mogi das Cruzes/SP.


Mogi das Cruzes - Distrito de Sabaúna

Padre Alex Feijó irá em Missão ao Maranhão

Padre Alex Feijó da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, no Distrito de Sabaúna em Mogi das Cruzes se despediu na noite de sábado, 11 de fevereiro dos Paroquianos com uma missa e logo em seguida uma confraternização no Salão Paroquial, momento em que todos assistiram atentamente a um vídeo com os momentos marcantes do Religioso nos três anos que passou junto à comunidade.

Na próxima terça-feira, 14 de fevereiro Padre Alex embarca para o Maranhão para uma missão evangelizadora na cidade de Magalhães de Almeida, Paróquia de Santo Antônio na Diocese de Brejo.


Tradição

Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes
é tema de evento no Museu de Arte Sacra de São Paulo

Secular festividade religiosa e folclórica será apresentada na Capital, no dia 18 de fevereiro; evento, com entrada gratuita, terá apresentação de Congada e Orquestra de Viola e café caipira
O visitante terá uma pequena mostra desta que é uma das festividades mais tradicionais de Mogi e uma das mais antigas do Brasil, com mais de 400 anos de realização. Neste ano, a Festa do Divino ocorrerá de 25 de maio a 4 de junho, sob a temática “Divino Espírito Santo, Guiai Nosso Caminho na Fé e na Unidade”. Os festeiros são João Pedro dos Santos Oliveira e Márcia Regina Pauletti Oliveira e os capitães de mastro são Sérgio Paschoal Gomes e Nilde de Lima Gomes.
No Museu de Arte Sacra, a atração ocorrerá na parte da manhã, já a partir das 8h30. Os visitantes serão recepcionados com um saboroso café caipira, acompanhado do tortinho (bolinho caipira de carne em formato de meia lua feito à base de farinha de milho branca e farinha de mandioca). Já na sequência, haverá a encenação da chegada dos festeiros e capitães de mastro a um subimpério. O evento contará, ainda, com a participação das rezadeiras, que irão fazer a reza de um trecho da Coroa do Divino, na presença do padre Diogo Shishito. O público irá presenciar, também, o levantamento do mastro.
O grupo de Congada de São Benedito Coração de César, do Distrito de César de Souza, e a Folia do Divino Orquestra de Viola de Mogi das Cruzes também serão as atrações do dia.

Na oportunidade, serão expostas peças do Museu do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes “Professora Amália Thereza Manna de Deus” e das Bandeiras dos Festeiros. "Será uma grande oportunidade de o público da Capital e de regiões próximas conhecerem a Festa do Divino de Mogi das Cruzes e todas as suas peculiaridades. Serão apresentados dados estatísticos que comprovam a grandiosidade da nossa festa e tudo o que ela representa no seu contexto religioso e folclórico, ou seja, mostrar a importância dela", antecipam os festeiros João Pedro dos Santos Oliveira e Márcia Regina Pauletti Oliveira.

O Museu de Arte Sacra

O Museu de Arte Sacra de São Paulo é fruto de um convênio celebrado entre o Governo do Estado e a Mitra Arquidiocesana de São Paulo, em 28 de outubro de 1969, e sua instalação data de 28 de junho de 1970. A partir desta data, o Museu de Arte Sacra de São Paulo passou a ocupar a ala esquerda térrea do Mosteiro de Nossa Senhora da Imaculada Conceição da Luz e a antiga Casa do Capelão, antes administração, e onde, desde 1999, está exposto o acervo de presépios do museu. Informações: (11) 4790-6835.

Quase-paróquia Nossa Senhora da Piedade

promove o “Conectado com você contra o câncer”

No sábado, dia 11 de fevereiro, Dia Mundial do Enfermo, a Quase-paróquia Nossa Senhora da Piedade promove o “Conectado com você contra o câncer”, das 11h às 16h, na própria quase-paróquia.

O evento é uma parceria com a Casa de Apoio à Vida (CAV), de Ferraz de Vasconcelos, e irá reunir momentos de oração com palestras e atendimentos. As exposições irão abordar temas variados como a prevenção da doença e a importância da família e amigos durante o tratamento.


Diocese de Mogi das Cruzes inaugura o

novo prédio da Faculdade Paulo VI

Na manhã de (30/01), a Diocese de Mogi das Cruzes inaugurou as novas instalações da Faculdade de Filosofia e Teologia Paulo VI, no bairro Vila Mogilar, em Mogi das Cruzes, com a Santa Missa presidida pelo arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer.

A celebração foi concelebrada pelo cardeal Cláudio Hummes, OFM, arcebispo emérito de São Paulo; o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini; o bispo emérito, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem; o arcebispo de Sorocaba, Dom Julio Endi Akamine, SAC; o bispo de São Miguel Paulista, Dom Manuel Parrado Carral; o bispo emérito de São Miguel Paulista, Dom Fernando Legal, SDB; e demais sacerdotes da Diocese e convidados. Dom Emílio Pignoli, bispo emérito de Campo Limpo, que foi o segundo bispo de Mogi das Cruzes, passou pelo local no início da missa.

Durante a homilia, Dom Odilo Pedro Scherer lembrou do beato Paulo VI, que dá nome a Faculdade, destacou o grande Papa, teólogo e pastor da Igreja que ele foi. Ainda, ressaltou a função singular da instituição, que é para a formação de sacerdotes, de religiosos e leigos. “A Faculdade Paulo VI tem uma finalidade muito própria, a formação do clero, dos religiosos e dos leigos, que trabalham na missão da Igreja, no melhor cumprimento desta missão com mais formação cultural e intelectual”. O cardeal, também, fez referência a Ratio fundamentalis institutionis sacerdotalis, documento sobre a vocação presbiteral da Congregação para o Clero, que foi publicado em dezembro de 2016.

Ao final da celebração eucarística, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, agradeceu ao empenho de todos na realização de mais esta obra da Diocese que vem acrescentar na formação do clero diocesano, mas também, dos leigos que buscam mais conhecimentos na área da filosofia e teologia. E em seguida, aconteceu a bênção do novo prédio e o descerramento da placa inaugural.

Estiveram presentes na cerimônia, o prefeito municipal de Mogi das Cruzes, Marcus Melo; o prefeito municipal de Suzano, Rodrigo Ashiuchi; e mais autoridades e vereadores da Região do Alto Tietê.

Faculdade Paulo VI e as novas instalações

A Faculdade Paulo VI tem origem no Instituto de Filosofia e Teologia da Diocese de Mogi das Cruzes, fundado em 1980, foi oficialmente inaugurada em 28 de fevereiro de 1994, com o compromisso de desenvolver um processo de produção de conhecimento que possibilite ao sujeito atuar na sociedade, compreendendo e levando a efeito o seu papel educacional e social.

Atualmente, a Faculdade oferece os cursos de graduação em Filosofia (bacharelado e licenciatura) e Teologia (bacharelado), além de alguns cursos de extensão, como o de Língua Brasileira de Sinais (Libras).

A construção de um espaço mais moderno foi pensada para atender melhor, principalmente, as necessidades dos alunos e, assim poder ampliar o número matriculados, atualmente, cerca de 150. O custo total da obra foi R$ 1,9 mi (um milhão e novecentos mil reais), sendo R$ 1,7 mi de investimentos da Diocese de Mogi das Cruzes e o restante, doações, e o tempo gasto para a construção foi de um ano e meio.

O novo prédio está no terreno onde a Faculdade já funcionava, na Avenida Francisco Rodrigues Filho, 248, no bairro Vila Mogilar, em Mogi das Cruzes. São dois andares, o térreo e o primeiro andar que irão abrigar toda a estrutura da instituição, como as salas de aula (sete salas), da diretoria, da coordenação, dos professores, de informática, a biblioteca, a secretaria, o financeiro, entre outros.


Faculdade Paulo VI da Diocese de Mogi das Cruzes

apresenta novo prédio

Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, preside a Santa Missa de inauguração

No dia 30 de janeiro, às 10h, a Diocese de Mogi das Cruzes celebra a inauguração das novas instalações da Faculdade de Filosofia e Teologia Paulo VI, com a Santa Missa presidida pelo arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer.

O novo prédio foi construído no terreno onde a Faculdade já funciona, na Avenida Francisco Rodrigues Filho, 248, no bairro Vila Mogilar, em Mogi das Cruzes, e irá abrigar toda a estrutura da instituição (salas de aula, da diretoria, da coordenação, dos professores, de informática, a biblioteca, a secretaria, o financeiro, entre outros).

A construção de um espaço mais moderno tem como objetivo atender melhor, principalmente, as necessidades dos alunos e, também, a ampliação do número matriculados, atualmente, cerca de 150. O custo total da obra foi R$ 1,9 mi (um milhão e novecentos mil reais), sendo R$ 1,7 mi de investimentos da Diocese de Mogi das Cruzes e o restante, doações.

A Faculdade Paulo VI, que tem origem no Instituto de Filosofia e Teologia da Diocese de Mogi das Cruzes, fundado em 1980, foi oficialmente inaugurada em fevereiro de 1994, com o compromisso de desenvolver um processo de produção de conhecimento que possibilite ao sujeito atuar na sociedade, compreendendo e levando a efeito o seu papel educacional e social (histórico completo em anexo).


Festa do Divino em Mogi das Cruzes

Rezadeiras e rezadores agendam visitas às residências

Até antes do início da festividade religiosa, em 25 de maio, grupo de evangelizadores rezam a Coroa do Divino pelos quatro cantos da Cidade, levando preces e a mensagem do Espírito Santo aos lares dos devotos

A Associação Pró-Festa do Divino já está agendando as visitas das rezadeiras e rezadores da Festa do Divino para a reza da Coroa do Divino nas residências dos devotos. O pontapé inicial da festividade religiosa, que neste ano ocorrerá de 25 de maio a 4 de junho, foi dado no domingo último (22/01), com a Missa de Envio, celebrada pelo bispo da Diocese de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Stringhini, na Catedral de Sant´Anna, em Mogi das Cruzes, com a presença das rezadeiras, rezadores e seus auxiliares, além dos festeiros e capitães de mastro, devotos e da diretoria da Pró-Divino.

De acordo com o bispo, a Missa de Envio marca o estágio bem próximo do início da festa: “Final de janeiro, início do ano, início da festa. Vamos dizer que o envio dá o pontapé inicial na festa porque agora todos vão atuar como mensageiras e mensageiros especiais de Deus, de casa em casa, rezando. E a oração é que o sustenta. Nós temos tantas atividades, tantas coisas práticas para organizarmos na Festa do Divino, mas o que sustenta é a oração, a espiritualidade, que elas garantem por meio da oração”. Dom Pedro reforça, ainda, que os evangelizadores levam mensagem de esperança e alento porque estão levando a presença de Deus. “Nada que não fosse a presença de Deus nos daria conforto e sentido à festa, com seus símbolos e cantos. Eles vão até pessoas que não podem participar da festa por motivos de doença ou por serem idosos, e que estão precisando de conforto. Elas têm uma alma que dá vida a esse grande corpo que é a Festa do Divino”, ressalta o religioso.

O grupo de rezadeiras e rezadores é coordenado por Aparecida Marlene Miguel de Barros, a ‘Cida’, e Elizabeth Martins de Godoy, a ‘Beth’, há cinco anos. Para a Cida, com a Missa de Envio, os evangelizadores se sentem mais preparados, abençoados, para fazer as rezas nas residências dos fiéis e seguir essa rica missão, pregando a evangelização pelos lares.  

Os interessados em se tornar rezadeiras devem começar os trabalhos como auxiliares, conforme explica a ‘Beth’. “Qualquer pessoa que se sinta apta e com disponibilidade de tempo pode exercer essa linda missão. Basta procurar a Associação, que nós vamos explicar tudo como funciona. Na maioria das vezes, as pessoas procuram pelas próprias rezadeiras e se colocam à disposição para ajudar até o momento em que se sentir ‘preparada’ para atuar sozinha”.

Atualmente, o grupo de evangelizadores é formado por aproximadamente 230 pessoas, das quais 50 são rezadeiras e rezadores oficiais e 180 auxiliares deles. À frente da Festa do Divino estão os festeiros João Pedro dos Santos Oliveira e Márcia Regina Pauletti Oliveira e os capitães de mastro Sérgio Paschoal Gomes e Nilde de Lima Gomes. O tema do evento religioso é “Divino Espírito Santo, Guiai Nosso Caminho na Fé e na Unidade”. A Coroa do Divino é a reza que as rezadeiras e rezadores fazem nas residências dos devotos, que aguardam por esse momento para agradecer alguma graça alcançada ou pedir uma nova, fortalecendo a fé no Divino Espírito Santo.

Os interessados devem entrar em contato pelo telefone (11) 4790-6835.


Mogi das Cruzes

Programação de Natal na Catedral de Sant'Ana

A Diocese de Mogi das Cruzes se prepara para celebrar a festa do nascimento do Menino Jesus, o Salvador. Neste sábado, dia 24 de dezembro, a celebração da Vigília de Natal na Catedral Diocesana Sant’Ana será às 20h, presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini. A Catedral Sant’Ana está localizada à Praça Coronel Benedito de Almeida, s/nº, em Mogi das Cruzes.

No dia 25, Solenidade de Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, o bispo diocesano celebra às 9h, na Catedral Sant’Ana. Ainda terá celebrações na Catedral, às 7h, 11h, 18h e 19h30.

Na Catedral Diocesana Sant’Ana, as missas do dia 25 são às 7:00, 9:00, 11:00, 18:00 e 19:30.

 

NATAL 2016

O nascimento de Jesus Cristo, celebrado no Natal, faz renascer as alegrias e esperanças para o início de mais um ano que se inicia. Cristo é “a luz verdadeira que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano” (Jo 1,9), dissipando as trevas do erro e da dor que envolvem a humanidade.

“Nasceu-vos hoje um Salvador, que é o Cristo-Senhor, na cidade de Davi” (Lc 2,11), anuncia o anjo de Deus. E assim, aquela que seria para os pastores de Belém somente mais uma longa, escura e fria noite de inverno, se ilumina em tempo novo de paz, justiça e fraternidade.

 Na singeleza do presépio se contempla a grandeza e esplendor do mistério da salvação. Proclamar o que se acolhe, celebrar o que se proclama e testemunhar o que se celebra, eis o sentido profundo do Natal. Tempo de meditação, silêncio, amor e oração!

Amar é partilhar gestos pequenos de significado profundo: abraçar as crianças, encontrar um pobre, visitar um doente, consolar o triste, perdoar e ser perdoado, preparar uma mesa, reunir a família. Defender sempre a vida humana! Foi o modo como o menino Jesus nasceu, viveu, morreu e, ressuscitado, permite que a cada ano haja um Feliz Natal.

Cordiais e afetuosos votos de paz, alegria e bênçãos nesse tempo santo da vinda do Menino Deus e no ano novo que virá.

Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo diocesano

Mogi das Cruzes, Advento e Natal 2016


Dom Paulo Evaristo Arns 

Dom Paulo Evaristo Arns, cardeal arcebispo emérito de São Paulo, nascido em 21 de setembro de 1921 e com 95 anos, no dia 14 de dezembro de 2016, ele parte deste mundo para a eternidade.

A Arquidiocese de São Paulo, a sua família, o Brasil, o mundo inteiro já sente saudade deste que foi uma grande referência para todos nós, para os padres que ele um dia ordenou, como eu que fui ordenado por Dom Paulo há 36 anos, na Arquidiocese de São Paulo.

E por tudo o que ele fez pelo Brasil e pela Igreja, nós somos muito agradecidos. Gratidão pelo exemplo que ele deixou, de santidade, de sabedoria, de serenidade, de acolhida, aquele que acolhia a todos, de modo especial, os mais pobres. Foi conhecido como o cardeal, o arcebispo, o bispo, o pastor dos pobres na periferia de São Paulo, durante 27 anos em que ele foi arcebispo na Arquidiocese de São Paulo.

No tempo da ditadura militar, tempo difícil, em que a perseguição grassava no Brasil, Dom Paulo defendeu aqueles que eram perseguidos e lutou na defesa das liberdades democráticas, portanto, uma grande referência para o país na redemocratização, para que o Brasil encontrasse caminhos de participação, de democracia, de distribuição da renda aos mais empobrecidos.

Enfim, falar de Dom Paulo é falar daquele que merece toda a nossa gratidão, todo o nosso respeito, e todo o nosso agradecimento a Deus por uma vida tão exemplar. Nós ficamos com este exemplo e todas as lições que ele nos deixou.

Que Dom Paulo descanse em paz e que nós continuemos a sua obra de evangelização.

Dom Pedro Luiz Stringhini

Mogi das Cruzes, 14 de dezembro de 2016


Hosana Mogi fortalece a Renovação Carismática na Diocese de Mogi

Evento que atraiu cerca de mil pessoas contou com a pregação de

Marco Brasil e Oscar Lokão e missa de encerramento do

bispo diocesano dom Pedro Luiz Stringhini

Uma das grandes expressões de fé, a Renovação Carismática Católica vem se fortalecendo cada vez mais na Diocese de Mogi das Cruzes. A constatação foi feita pelo próprio bispo diocesano de Mogi, dom Pedro Luiz Stringhini, durante o evento Hosana Mogi, organizado por um grupo de amigos da Paróquia Nossa Senhora Aparecida e São Roque, de Braz Cubas, neste domingo (27/11), no Ginásio Poliesportivo do Instituto Dona Placidina. Aproximadamente mil pessoas participaram do Hosana Mogi, que já tem a sua sexta edição garantida para 2017.

A participação dos pregadores Marco Brasil, da Renovação Carismática Católica de Mogi e integrante da Coordenação Diocesana Ministério de Pregação, e Oscar Lokão, ex-dependente químico, prenderam a atenção dos carismáticos, que ouviam atentamente cada palavra, ora exaltada, ora cantada, com a participação do Ministério Aliança de Adoração.

“Este carisma é importante para a Diocese na missão de evangelizar”, destaca o bispo diocesano, que celebrou a Santa Missa, pela primeira vez e garantiu a sua participação para o ano que vem. Ao lado do padre Francisco Deragil de Souza, pároco da Paróquia Nossa Senhora Aparecida e São Roque, ele presidiu a missa e lembrou que o Hosana Mogi marca o início do outro Ano Litúrgico, o início do tempo do Advento, preparação para o Natal: “Encerramos o Ano Litúrgico com o Evangelizai e começamos o novo com o Hosana Mogi, um dos muitos eventos diocesanos”.

De acordo com o bispo, a Renovação Carismática dá a sua importante contribuição de fé, inspirada no louvor a partir da presença do Divino Espírito Santo. “É uma presença que lembra o Pentecoste, de muito entusiasmo, e nós precisamos da força do Espírito Santo para sermos cristãos entusiasmados. As pessoas expressam a sua fé na pessoa de Cristo sacramentado na Eucaristia, por isso há o momento de adoração, a presença do Santíssimo. Nós acolhemos a passagem do Santíssimo no nosso meio. O Hosana é, sem dúvida, mais um momento forte da vida da nossa Diocese”, destaca dom Pedro Luiz, que se diz um grande entusiasta da Renovação Carismática. “Aproveito para incentivar os grupos de oração que existem nas paróquias. A Renovação é uma grande força de evangelização”.

O padre Francisco Deragil, por sua vez, ressalta que esse apoio do bispo é de grande importância. “Sempre pedi que mandassem para a Diocese um bispo que tivesse simpatia pela Renovação Carismática e fomos atendidos. Deus lhe pague a presença”.

O coordenador da Hosana Mogi, Fábio Alves da Silva, ficou feliz com o dia de graça e louvor a Jesus Cristo. O nosso objetivo é salvar almas para Deus e fazer com que essas pessoas fiquem mais próximas de Deus e elas continuarem perseverando por meio do carisma da Renovação. A ideia é fazer com que as pessoas sejam agitadas pelo Espírito Santo de Deus, que é o nosso combustível. Essa espiritualidade é maravilhosa”, define.

Quem quiser assistir a uma Missa de Cura e Libertação deve ir à Paróquia Nossa Senhora Aparecida e São Roque às quintas-feiras, às 19h30. A igreja está localizada na Rua Padre Álvaro Quinhones Zuniga, 104, em Braz Cubas.


Encerramento da 4ª EVANGELIZAI – FESTA DIOCESANA

reúne cerca de 1500 pessoas

“A nossa missão, missão da Igreja, seguindo o Cristo, rei da Igreja, é evangelizar”, afirmou o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, domingo, dia 20 de novembro durante a missa de encerramento da 4ª EVANGELIZAI – FESTA DIOCESANA, na Catedral Diocesana Sant’Ana.

A 4ª Evangelizai cumpriu o objetivo de reunir em união e fraternidade a comunidade que forma a Diocese de Mogi das Cruzes. Cerca de 1500 pessoas participaram da última celebração, que ao final, puderam conferir com muita emoção o Fechamento da Porta da Misericórdia da Catedral Sant’Ana por Dom Pedro Luiz Stringhini (a Porta da Misericórdia da Catedral Sant’Ana foi aberta em 13 de dezembro de 2015, como pediu o Papa Francisco para o Ano Santo da Misericórdia).

A celebração, que foi presidida por Dom Pedro Luiz Stringhini, também, foi concelebrada pelo bispo emérito, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, pelo vigário geral, Pe. Antônio Robson Gonçalves, MSJ, e demais sacerdotes que compõem o clero da Diocese. Durante a homilia, na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, celebrada ontem, no último domingo do calendário litúrgico, o bispo diocesano destacou que “o reino de Cristo é eterno, não vai passar, é universal, é o reino de vida, da verdade, porque Ele é a verdade e a verdade nos libertará, é o reino de santidade, da graça, porque nós não somos capazes de realizar grandes coisas, mas tudo podemos n’Aquele que nos fortalece, é o reino de amor, porque derramou Seu sangue na cruz por amor a nós, é o reino de justiça, a justiça verdadeira, completa, que não falha e é o reino de paz.”.

E concluiu: “É uma grande graça esta Festa Diocesana, a festa de unidade, em torno de Cristo que celebramos neste dia, último domingo do Ano Litúrgico, dia do Senhor Jeus, Cristo Rei do Universo. E outra graça é encerrar o Ano da Misericórdia, o ano se acaba, mas a misericórdia prevalece e abrimos a porta do coração, como agentes e instrumentos da misericórdia neste mundo, como nos pediu o Papa Francisco. Encerramos o Ano da Misericórdia e abrimos o Ano Mariano.” – no dia 12 de outubro de 2016, teve início o Ano Mariano no Brasil, por conta das celebrações dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida –.

Ao final da celebração, o vigário geral, Pe. Antônio Robson Gonçalves, MSJ, leu uma mensagem em homagem ao bispo diocesano, que no próximo dia 24 de novembro completa quatro anos de posse como bispo da Diocese de Mogi das Cruzes (mensagem em anexo).

Tríduo

Durante o tríduo, entre os dias 17 a 19 de novembro, centenas de pessoas passaram pela Catedral Diocesana Sant’Ana. O início foi na noite da última quinta-feira, dia 17, com a Santa Missa por Cura e Libertação e Bênção com o Santíssimo Sacramento. Na sexta-feira, dia 18, aconteceu a missa dedicada às famílias e no sábado (19), pela manhã, a Concentração Diocesana Mariana; a tarde, a Jornada da Misericórdia com a Pastoral da Catequese, dos Coroinhas e Setor Juventude; e ao final do dia, às 19h, a Santa Missa com o Caminho Neocatecumenal.


Evangelizai - Festa Diocesana

Entre os dias 17 a 20 de novembro, a Diocese de Mogi das Cruzes realiza a 4ª edição da EVANGELIZAI – FESTA DIOCESANA. Em 2016, serão quatro dias de celebrações, desta vez, na Catedral Diocesana Sant’Ana devido ao Fechamento da Porta da Misericórdia da Igreja e o Encerramento do Jubileu Extraordinário da Misericórdia.

O objetivo da Evangelizai – Festa Diocesana é reunir todas as paróquias que compõem a Diocese, aproximar as comunidades e os fiéis, e integrar o serviço pela evangelização. Durante o evento, as pastorais e movimentos são envolvidas na organização e infraestrutura, em clima de união e fraternidade.

Nos dias 17, 18 e 19, é o Tríduo preparatório para a Festa Diocesana, e encerramento no domingo, 20 de novembro, às 15h, com o Fechamento da Porta da Misericórdia e a Santa Missa presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini.

A abertura na quinta-feira (17), será às 19h30, com a Santa Missa por Cura e Libertação e Bênção com o Santíssimo Sacramento, cada dia do Tríduo será dedicado a alguma comissão pastoral ou movimento, o primeiro será com a Renovação Católica Carismática da Diocese e Novas Comunidades. Na sexta-feira (18), a celebração eucarística às 19h30, e animação da Pastoral Familiar.

Já no sábado, dia 19, a programação tem início pela manhã, às 9h, com a Concentração Diocesana Mariana, e participação especial do Terço dos Homens, Legião de Maria, Mãe Peregrina, Arautos do Evangelho e Movimentos Marianos. Às 14h, Jornada da Misericórdia com a Pastoral da Catequese, dos Coroinhas e Setor Juventude. E a noite, às 19h, Santa Missa com o Caminho Neocatecumenal.

No dia 20, último domingo do Tempo Comum do calendário litúrgico, em que é celebrada a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, às 15h, o momento principal da Festa Diocesana com o Fechamento da Porta da Misericórdia e a Santa Missa, presidida pelo bispo diocesano.


Fechamento das Portas da Misericórdia da Diocese de Mogi das Cruzes

Na Diocese de Mogi das Cruzes, o bispo Dom Pedro Luiz Stringhini designou quatro locais como Igrejas Jubilares por ocasião do Ano Santo da Misericórdia: a Catedral Diocesana Sant’Ana, os Santuários Diocesanos Cristo Amor Misericordioso e Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito, todos no município de Mogi das Cruzes; e a Igreja Santos Apóstolos, em Itaquaquecetuba.

Os fiéis devem aproveitar esses últimos dias do Ano Santo da Misericórdia para a peregrinação até uma Porta da Misericórdia para obter a indulgência.

Programação de Fechamento das Portas da Misericórdia da Diocese de Mogi das Cruzes:

13 de novembro – 10:30 – Santuário Diocesano Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito (Mogi das Cruzes/SP)

19 de novembro – 9:00 – Igreja Santos Apóstolos (Itaquaquecetuba/SP)

20 de novembro – 15:00 – Catedral Diocesana Sant’Ana (Mogi das Cruzes/SP)

21 de novembro – 19:30 – Santuário Diocesano Cristo Amor Misericordioso (Mogi das Cruzes/SP

Ano Santo da Misericórdia

O Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Ano Santo, foi anunciado pelo Papa Francisco no dia 13 de março de 2015 e em 11 de abril, publicou a Bula de Proclamação Misericordiae Vultus, com o lema “Misericordiosos como o Pai” (Lc 6,36). O início aconteceu no dia 08 de dezembro de 2015, na Solenidade da Imaculada Conceição, com a abertura da Porta Santa da Basílica de São Pedro, em Roma, e o encerramento está marcado para o dia 20 de novembro de 2016, na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo.

Na Igreja Católica, a cada 25 anos é proclamado um Jubileu para celebrar algo em especial, mas é possível que o Papa proclame um Jubileu Extraordinário, como o fez agora. “Há momentos em que somos chamados, de maneira ainda mais intensa, a fixar o olhar na misericórdia, para nos tornarmos nós mesmos sinal eficaz do agir do Pai. Foi por isso que proclamei um Jubileu Extraordinário da Misericórdia como tempo favorável para a Igreja, a fim de se tornar mais forte e eficaz o testemunho dos crentes”, escreveu o Santo Padre na Bula.

Ainda, durante os anos jubilares, são abertas as “Portas Santas”, que é na tradição cristã o próprio Cristo. “Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem” (Jo 10,9). Na Diocese de Mogi das Cruzes, além da Catedral Diocesana, os Santuários Cristo Amor Misericordioso no bairro Jardim Santa Teresa (Porta Santa aberta no dia 08 de dezembro), e Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito (ainda não ocorreu a abertura da Porta Santa), na região central de Mogi das Cruzes, foram declaradas Igrejas jubilares e assim, terão a Porta Santa e serão locais de peregrinação.

A peregrinação também é um pedido dos Anos Santos, por isso, os fiéis católicos para viverem a experiência mística deste período devem se deslocar até uma Igreja Jubilar, é um ícone do caminho que cada pessoa realiza na sua existência. “A vida é uma peregrinação e o ser humano é viator, um peregrino que percorre uma estrada até à meta anelada. Também para chegar à Porta Santa, tanto em Roma como em cada um dos outros lugares, cada pessoa deverá fazer, segundo as próprias forças, uma peregrinação. Esta será sinal de que a própria misericórdia é uma meta a alcançar que exige empenho e sacrifício. Por isso, a peregrinação há de servir de estímulo à conversão: ao atravessar a Porta Santa, deixar-nos-emos abraçar pela misericórdia de Deus e comprometer-nos-emos a ser misericordiosos com os outros como o Pai o é conosco”, destacou Papa Francisco.

Durante o Jubileu, os fiéis podem receber as indulgências, assim neste período de um ano, ao passar pela Porta Santa nas igrejas jubilares, as pessoas deverão realizar as condições habituais para a concessão de indulgências: a profissão de fé e a oração pelo Papa e pelas suas intenções, ainda a confissão sacramental e a comunhão eucarística. De acordo com o Catecismo da Igreja Católica (CIC): “A indulgência é a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em certas e determinadas condições pela ação da Igreja que, enquanto dispensadora da redenção, distribui e aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos. Em geral, a obtenção das Indulgências exige determinadas condições e o cumprimento de certas obras”.

O Santo Padre estendeu às indulgências a dois casos, que de uma forma ou de outra, estão impossibilitados de peregrinar até uma Porta Santa: aos doentes e idosos, e aos presos. O Papa Francisco concedeu as indulgências jubilares desde que vivam este momento de sofrimento “com fé e esperança jubilosa, recebendo a comunhão ou participando na santa Missa e na oração comunitária, inclusive através dos meios de comunicação”, e aos presos, também, todas as vezes que passarem pela porta da cela, dirigindo o pensamento e a oração ao Pai, este gesto deve significar para eles a passagem pela Porta Santa, e estar arrependidos dos crimes cometidos. 


Diocese de Mogi das Cruzes celebra o Dia Nacional da Juventude

No domingo, 23 de outubro, a Diocese de Mogi das Cruzes realiza o Dia Nacional da Juventude (DNJ) com o tema “Juventude e Nossa Casa Comum” e o lema “Vou criar novo céu e nova terra” (Is 65,17). Em 2016, o evento acontece na cidade de Biritiba Mirim, no Centro Pastoral da Paróquia São Benedito.

A concentração começa a partir das 9h, na praça em frente a Igreja Matriz São Benedito, em Biritiba Mirim. Às 10h30, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, preside a Santa Missa para os jovens no Centro Pastoral. Em seguida, a programação continua com orações e apresentações culturais, com música, teatro e danças.

O DNJ acontece nacionalmente nas dioceses, paróquias e comunidades, é um dia dedicado a juventude.Na Diocese de Mogi das Cruzes, é promovido pelo Setor Juventude Diocesano e reúne os jovens das dez cidades do Alto Tietê, nos variados carismas e movimentos. As paróquias se preparam e organizam caravanas para participar do evento.


Imagem Peregrina de Aparecida  chega em  Mogi das Cruzes

A Imagem Peregrina de Nossa Senhora Aparecida que faz parte do Projeto Tietê Esperança Aparecida 2016, chegou a cidade de Mogi das Cruze onde foi recebida pelo Bispo Diocesano Dom Pedro Luiz Stringhini e o Pároco da Catedral de Sant’Ana, Claudio Delfino.

Após passar uma semana na Paróquia de São Benedito na cidade de Biritiba Mirim, na manhã de quinta-feira Padre Edinei Maia dos Santos celebrou missa de despedida junto com Padre Palmiro.
O projeto é realizado pela Arquidiocese de São Paulo com apoio do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica). 

No dia 12 de outubro, às 7:30 horas, será conduzida em Procissão Fluvial no rio Tietê até a Ponte Júlio de Mesquita, de onde segue por carro para a Ponte do Piqueri, depois para o Largo Santa Efigênia e Vale do Anhangabaú, onde será realizada uma missa solene presidida por Dom Odilo Scherer, Arcebispo de São Paulo, encerrado a peregrinação. 


Festa de Nossa Senhora Aparecida encerra-se nesta quarta-feira

Nesta quarta-feira (12), Dia da Padroeira do Brasil, a programação é especial na Catedral Diocesana Sant'Anna, com a celebração de duas missas. Serão ao meio- dia e depois da procissão.

A última missa ocorrerá depois da procissão, marcada para as 16h30. Os devotos vão se concentrar em frente à igreja e irão percorrer as principais ruas da área central do entorno do templo. À frente do cortejo estará o padre Cláudio Antônio Delfino, pároco da Catedral.  Duas mil pessoas são esperadas na procissão e missa, ponto alto da Festa em Louvor a Nossa Senhora Aparecida. Na missa será anunciado o nome dos festeiros e capitães de mastro da Festa de Sant´Anna 2017. Sant´Anna, padroeira da diocese e da cidade de Mogi das Cruzes, é comemorada no dia 26 de julho.

A data também marcará o encerramento da quermesse na praça da catedral.


 Mensagem aos Prefeitos Eleitos 

Apresento, em nome da Diocese de Mogi das Cruzes, votos de congratulações aos senhores prefeitos eleitos, no primeiro turno das eleições municipais, de 02 de outubro de 2016, em nove dos dez municípios da Região do Alto Tietê.

São eles: Dr. José Luiz Monteiro, Arujá; Prof. Jarbas Ezequiel de Aguiar, Biritiba Mirim; José Carlos Fernandes Chacon (Zé Biruta), Ferraz de Vasconcelos; Adriano de Toleto Leite, Guararema; Dr. Mamoru Nakashima, Itaquaquecetuba; Marcus Melo, Mogi das Cruzes; Gian Lopes, Poá; Vanderlon Gomes, Salesópolis; Fábia Porto, Santa Isabel.

Rogo a Deus que abençoe os novos prefeitos e o povo de seus municípios, dando-lhes saúde, proteção e inspiração para que possam exercer com sabedoria seu mandato, em benefício de toda a população, em especial os mais pobres.

Em nome da Diocese de Mogi das Cruzes, asseguro à pessoa de cada novo prefeito apoio, diálogo e cooperação, diante dos desafios que o cargo de primeiro mandatário do poder executivo municipal lhes impõe.

Os problemas do mundo atual, da esfera municipal ao âmbito internacional, impõem a necessidade de um esforço conjugado de todas as forças da sociedade. Desse esforço, a Igreja católica participa, com vistas à edificação de uma sociedade democrática, justa, sustentável e inclusiva para todos os cidadãos.

Parabéns aos prefeitos eleitos, suas famílias e ao povo de seus Municípios.

Dom Pedro Luiz Stringhini - Bispo diocesano


Romeiros saem de Mogi rumo a Basílica Nacional de Aparecida - SP

O Grupo Caminhando com Maria, formado por 180 romeiros, saiu de Mogi das Cruzes sábado (8 de outubro) com destino a Aparecida, no Vale do Paraíba, mais precisamente à Basílica Nacional. Os devotos seguirão a pé para professar a fé em Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, ou até mesmo em agradecimento às graças alcançadas.

O ponto de encontro para o início da caminhada partiu em frente ao Ginásio Municipal Hugo Ramos, no Bairro do Mogilar, às 5 horas. É de lá que eles saíram para essa caminhada de fé e devoção. Os peregrinos devem percorrer 138,70 quilômetros em uma caminhada de fé que dura três dias. A chegada está prevista para a noite do dia 11 de outubro, na véspera do Dia de Nossa Senhora Aparecida, em 12 de outubro.

Quem coordena o Grupo Caminhando com Maria, é o Edson Luís da Silva, o Edinho, que há 19 anos faz essa peregrinação. Quando começou, no entanto, era só ele e o amigo, Valdir. “Na época, não tínhamos noção da distância, muito menos de onde iríamos dormir. O nosso objetivo era chegar ao nosso destino para que pudéssemos pedir a Nossa Senhora Aparecida a graça de um emprego e saúde para os pais do meu amigo. Nesta caminhada, sofremos muito por estarmos despreparados, pois não tínhamos ninguém para nos orientar. Era muito difícil, mesmo assim seguimos firmes em nosso propósito”, relembra ele.

Hoje, porém, é tudo muito bem organizado e planejado. Aos poucos, mais amigos começaram a se interessar em participar porque tinham promessas a serem cumpridas. “O grupo foi crescendo e tivemos de nos estruturar melhor”, conta Edinho.

Os devotos contam com ônibus, van, caminhão e carro de apoio. Todos fazem a peregrinação com uniforme.

No dia 25 de setembro, os devotos participaram de uma Missa de Envio, celebrada pelo padre Valdenilson Pedro de Barros, no Casarão Larrouse, no Mogilar.

O percurso

No primeiro dia, sábado (8), os devotos vão percorrer 32,80 quilômetros e pernoitam em Jacareí. Já no domingo, o percurso será de 38,90 quilômetros e pernoitam no Ponto de Apoio aos Peregrinos, em São José dos Campos. No terceiro dia, na segunda-feira (10), eles percorrerão 36,10 quilômetros e descansam no Posto Amaral, em Pindamonhangaba. Chegam a Aparecida na terça-feira (11), depois de terem percorrido nesse dia 30,90 quilômetros.


Mogi das Cruzes

Ordenação Presbiteral do diácono Roberto Ribeiro

Aconteceu na manhã de sábado 24 de setembro, às 9:00, na Catedral de Sant’Ana, Diocese de Mogi das Cruzes a ordenação presbiteral dos diáconos Daniel Ribeiro dos Santos, Marcos dos Santos, Marcos Sulivan Vieira, Pedro Pires de Andrade e Roberto Ribeiro dos Santos pela imposição das mãos e prece consecratória do Bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini.

A Catedral estava  repleta de Católicos que acompanharam atentamente a ordenação de cada um dos Diáconos e em especial de Roberto Ribeiro dos Santos, que está na Paróquia São José da Estância Turística de Salesópolis.


Festa de Nossa Senhora Aparecida até o dia 12 na Catedral

Até o dia 12 de outubro, missas serão celebradas por padres de diferentes paróquias da Diocese de Mogi das Cruzes; festividade terá também quermesse na Praça Coronel Almeida. 

A programação religiosa se estenderá até o dia 12 de outubro, quando se celebra o Dia da Padroeira do Brasil.

A Festa de Nossa Senhora Aparecida está sendo conduzida pelo padre Cláudio Antônio Delfino, pároco da Catedral. Neste ano, contudo, ele conta com a ajuda de uma comissão organizadora, composta por membros da comunidade. 

As missas serão celebradas sempre às 19 horas, por padres das paróquias da Diocese de Mogi das Cruzes.

O ponto alto da festividade é a procissão em homenagem à  Nossa Senhora Aparecida, no dia 12, às 16h30, seguida de Santa Missa presidida pelo Padre Cláudio Antônio Delfino.

A parte festiva fica por conta da quermesse, que será montada na Praça Coronel Almeida, em frente à igreja. Os devotos poderão degustar as comidas e bebidas típicas do evento religioso.


Festa do Seminário Diocesano de Mogi das Cruzes

acontece no dia 18 de setembro

Expectativa é que cerca de 10 mil pessoas passem pelo evento

No domingo, dia 18 de setembro, das 8:00 às 18:00, acontece a tradicional Festa do Seminário Diocesano Sagrado Coração de Jesus. Em 2016, o evento chega a 17ª edição, e a abertura às 8h, é com a Santa Missa presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, e concelebrada pelos sacerdotes formadores do seminário.

A festa na Fazenda Tabor – localizada à Rodovia Pedro Eroles, Km 42, bairro Itapeti, em Mogi das Cruzes – é uma grande reunião das famílias, que atrai milhares de pessoas do Alto Tietê e região e tem como objetivo unir toda a Diocese em oração, no trabalho e na ajuda às vocações, conscientizar a cada um a importância dentro desse processo formativo dos seminaristas que são de, no mínimo, oito anos.

A programação é extensa e ao longo do dia, diversas atividades acontecem no local. No palco, bandas católicas se apresentam até às 18h, já na quadra poliesportiva, disputas de jogos de futebol e vôlei durante toda a festa; no antigo prédio da Faculdade de Filosofia e Teologia Paulo VI, apresentações de peças teatrais de grupos das paróquias da Diocese e uma exposição organizada pelos seminaristas com a história da Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Também, é montada a Tenda Vocacional onde os participantes têm a possibilidade de conhecer as congregações e comunidades presentes na Diocese, é uma oportunidade para o discernimento da própria vocação.

Como a Festa acontece em uma área localizada na Serra do Itapeti, os participantes ainda podem fazer uma pequena trilha com a Pastoral da Ecologia, que vai explicar aos visitantes sobre a diversidade biológica do sítio e, também, o cuidado com a natureza. Para as crianças, tem a Fazendinha, com cavalos e outros animais. E ainda, muitos aproveitam o espaço para fazer picnic.

Já na capela do Seminário, durante todo o dia, grupos se revezam e se mantém em oração. E por conta do Ano Santo da Misericórdia instituído pelo Papa Francisco, haverá um mutirão de confissões para quem desejar o Sacramento da Reconciliação.

Para a alimentação, são montadas mais de 30 barracas com variadas opções de alimentos e bebidas.

O estacionamento é amplo, com capacidade de receber ônibus, vans e carros.


Tribunal Eclesiástico da Diocese de Mogi das Cruzes

completa 6 meses

No último dia 22 de agosto, o Tribunal Eclesiástico Diocesano de Mogi das Cruzes completou seis meses de funcionamento. Neste período, foram 42 causas protocoladas, e três processos já concluídos, todos com sentenças afirmativas, ou seja, os matrimônios foram declarados nulos. Os nomes dos envolvidos não podem ser divulgados, já que os processos correm em segredo de justiça.

E ainda, cerca de 30 pessoas por mês passam pelo local em busca de mais informações sobre os processos que podem ser julgados na Diocese.

Tribunal Eclesiástico

A instalação do Tribunal Eclesiástico Diocesano de Mogi das Cruzes aconteceu no dia 22 de fevereiro de 2016, seguindo a orientação do Papa Francisco no Motu Proprio “Mitis Iudex Dominus Iesus”, sobre a reforma do processo canônico para as causas de declaração de nulidade do matrimônio, de agosto de 2015, que substituiu integralmente o antigo processo, conforme os cânones 1671-1691 que foram reformados no Código de Direito Canônico de 1983, e tem como objetivo agilizar o julgamento dos processos, que antes eram encaminhados ao Tribunal de São Paulo, e também, reduzir os custos do processo.

O Tribunal Eclesiástico, de acordo com o Código de Direito Canônico (CDC), é um tribunal da Igreja que realiza a justiça canônica e direciona os caminhos corretos a serem seguidos em determinadas situações da vida da Igreja, afim de que ela possa cumprir a missão que Cristo lhe incumbiu.

Em um Tribunal Eclesiástico Diocesano, o bispo é o moderador, responsável por julgar as causas chamadas rito sumário ou breve; e o CDC prevê três tipos de processos: documental, por via ordinária e por rito sumário ou breve. O vigário geral da Diocese, Pe. Antonio Robson Gonçalves, MSJ, é o vigário judicial e juiz presidente (Bacharel em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ - 1993), mestrado em Direito Canônico pelo Instituto de Direito Canônico Pe. Dr. Giuseppe Benito Pegoraro - São Paulo, filiado à Pontificia Universitas Lateranensis de Roma (2005); e doutorado em Direito Canônico pela Pontificia Universitas Lateranensis de Roma (2010). Atualmente, é professor titular da Faculdade de Filosofia e Teologia Paulo VI em Mogi das Cruzes-SP e professor na Faculdade de Direito Canônico São Paulo Apóstolo na Arquidiocese de São Paulo. Lecionou Direito Canônico no Instituto São Paulo de Ensino Superior (ITESP) e é membro da Sociedade Brasileira de Canonistas).

O Tribunal funciona em prédio anexo ao salão da Catedral Diocesana Sant’Ana e atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 17h.


Mogi das Cruzes

Coroinhas participaram de missa na Catedral de Sant'Ana

Aconteceu na tarde de sábado na Catedral de Santana em Mogi das Cruzes missa celebrada pelo Bispo Diocesano Dom Pedro Luiz Stringhini em comemoração ao Jubileu da Misericórdia da Pastoral dos Coroinhas.

Os Coroinhas têm como Padroeiro São Tarcísio que foi comemorado no último dia 15 de agosto.

Esta data é celebrada pela comunidade cristã católica, que homenageia o santo considerado padroeiro dos coroinhas e acólitos – auxiliares dos padres, bispos ou diáconos.

História de São Tarcísio

De acordo com os relatos católicos, Tarcísio era um jovem de 12 anos, acólito do Papa Xisto II e que teria sacrificado a sua vida para cumprir uma santa missão: entregar hóstias sagradas aos cristãos presos.

Naquela época, os cristãos romanos sofriam perseguição do imperador Valeriano, sendo capturados, martirizados e presos enquanto esperavam a hora da morte.

Os cristãos desejavam muito receber o “Corpo de Cristo” enquanto passavam por toda essa tortura, mas eram proibidos pelos guardas de fazer qualquer pratica cristã na prisão.

Tarcísio teria convencido o Papa Xisto II que ele seria capaz de levar as hóstias aos prisioneiros.

No entanto, enquanto se dirigia à prisão, foi interceptado por um grupo de crianças que, descobrindo ser ele portador de um objeto cristão, espancaram-no até a morte.

Tarcísio, mesmo apanhando e sofrendo com as dores, não largou o “Corpo de Cristo” em nenhum momento.

Seu corpo foi recolhido por um soldado romano que era simpatizante dos cristãos, que o levou até às catacumbas para ser sepultado, e finalizou a missão do jovem levando as hóstias aos cristãos presos.

Atualmente, o corpo de São Tarcísio está na Basílica de São Silvestre, em Roma.


Jornada da Misericórdia Jovem da Diocese de Mogi das Cruzes

é neste final de semana, 30 e 31 de julho

Neste final de semana, dias 30 e 31 de julho, acontece a Jornada da Misericórdia Jovem, organizada pelo Setor Juventude da Diocese de Mogi das Cruzes. O evento será no Santuário Cristo Amor Misericordioso, em Mogi das Cruzes, e foi pensado para atender aos jovens que não puderam ir a Polônia participar da Jornada Mundial da Juventude Cracóvia 2016 (JMJ).

O prazo para as inscrições encerrou no dia 20 de julho, no entanto, para quem não conseguiu se inscrever para participar de toda a programação, haverá momentos abertos a todos. Entre eles: a Santa Missa de Acolhida, às 18h, no dia 31, presidida pelo Pe. Javier Martinez, FAM, da Paróquia Imaculado Coração de Maria, de Mogi das Cruzes; e no domingo, a partir das 13h, com a Santa Missa de Encerramento, às 15h30, presidida pelo vigário geral da Diocese, Pe. Antonio Robson Gonçalves, MSJ (programação completa abaixo).

No total foram 350 inscritos, número que superou a expectativa inicial do Setor Juventude que eram de 300 participantes. E estes, deverão trazer saco de dormir e/ou barraca para acampar, além de material de higiene pessoal. Para a alimentação, serão montadas barracas para a venda de alimentos e bebidas.

A Jornada da Misericórdia Jovem é, também, uma oportunidade para viver o Ano Santo da Misericórdia, já que oSantuário Cristo Amor Misericordioso é uma das Igrejas Jubilares da Diocese de Mogi das Cruzes para o Jubileu Extraordinário da Misericórdia, e os fiéis poderão passar pela Porta da Misericórdia e receber as indulgências plenárias (depois de realizar todas as condições habituais para a concessão da indulgência).

Programação completa:

30 de julho

15h – Concentração na Praça

17h – Chegada ao Santuário Cristo Amor Misericordioso

18h – Missa de Acolhida presidida pelo Pe. Javier Martinez, FAM (aberta a todos)

20h – Show com “Herdeiros da Palavra” (aberto a todos)

22h – Vigília

31 de julho

5h30 – Transmissão da missa de encerramento da JMJ Cracóvia

7h30 – Intervalo e café da manhã

8h – Show com “Banda Safra”

9h – Pregação

10h – Atividades diversas

11h30 – Banda Trindade durante o intervalo para o almoço

13h – Festival da Juventude (aberto a todos)

15h30 – Missa de encerramento presidida pelo vigário geral da Diocese, Pe. Antonio Robson Gonçalves, MSJ (aberta a todos)

18h – Festival das cores com o “Ministério Cristo é Show” (aberto a todos)


Mogi das Cruzes

Festa da Padroeira Sant’Ana

Centenas de devotos de Sant’Ana e São Joaquim participaram na tarde de terça-feira, 26 de julho da Procissão de sua Padroeira Sant’Ana pelas ruas do centro da cidade.

Após a procissão todos receberam as imagens na Catedral de Sant’Ana momento em que todos participaram de uma missa que foi presidida pelo pároco, Pe. Claudio Antonio Delfino.

Clique e veja todas as fotos da festa da Padroeira de Mogi das Cruzes


Mais festa na Região

Diocese de Mogi das Cruzes celebra a padroeira

Sant’Ana entre os dias 16 a 26 de julho

Entre os dias 16 a 26 de julho, a Diocese de Mogi das Cruzes celebra a festa da padroeira Sant’Ana. A novena com a Santa Missa é entre os dias 17 a 25 de julho, com as celebrações às 19h, na Catedral Diocesana Sant’Ana, e a abertura no domingo, dia 17, será presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini.

Na terça-feira, dia 26, Solenidade de São Joaquim e Sant’Ana, pais de Maria Santíssima, às 16h30, os fiéis sairão em procissão pelas ruas centrais da cidade e em seguida, a missa de encerramento e em louvor a padroeira na Catedral Diocesana presidida pelo pároco, Pe. Claudio Antonio Delfino.

A festa social com quermesse acontece entre os dias 16 a 26 de julho, a partir das 18h.

No dia 26 de julho, também, é comemorado o dia dos avós porque Sant’Ana e São Joaquim são os avós de Jesus. Sant’Ana é a padroeira da cidade de Mogi das Cruzes/SP. 


Mogi das Cruzes, 09 de junho de 2016.

Nota de pesar pelo acidente com ônibus de estudantes na Rodovia Mogi-Bertioga - SP

“Nem a vida nem a morte vão nos separar de Deus. Mais que a vida, mais que a morte é o eterno Amor de Deus”.

Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo Diocesano de Mogi das Cruzes, consternado ao receber as notícias a respeito do acidente com o ônibus de estudantes ocorrido na noite de ontem na Rodovia Mogi-Bertioga, encarregou-me de em seu nome e em nome da Diocese de Mogi das Cruzes, transmitir seu pesar, com expressões de proximidade e conforto, aos familiares que choram a perda de seus entes queridos pedindo a Deus para que derrame sobre cada um deles os dons da serenidade espiritual e da esperança cristã pois, nossa fé se fundamenta nas promessas e na vitória de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Enquanto Diocese, unimo-nos a todos nas preces pelos falecidos, pedindo a Deus que os acolha na sua misericórdia; pela recuperação dos que foram atingidos no acidente; pela missão dos que se dedicam à sua cura, e pelos familiares e amigos que sofrem a perda de entes queridos.

Que a segurança e a preservação da vida sejam o compromisso a ser assumido por todos: autoridades e cidadãos brasileiros, dando-nos a certeza de que podemos trabalhar por tempos e situações melhores.

Com uma saudação fraterna e dolorosa, nós nos unimos a todos. 

Do irmão em Cristo,

Pe. Antônio Robson Gonçalves

Vigário Geral da Diocese de Mogi das Cruzes


NOTA DE CONDOLÊNCIAS
 
A Diocese de Mogi das Cruzes, o Bispo Diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, lamentam o ato de violência no município de Itaquaquecetuba que vitimou o Sr. Luiz Henrique Lima Vieira, conhecido como Riketa, jovem de 29 anos, lider comunitário, ex-secretário de Cultura e Turismo da cidade e pré-candidato a vereador.
O bispo diocesano manifesta condolências à família e reza pelo falecido e pelo destino do município de Itaquaquecetuba.
Neste "Ano da Misericórdia" pedimos a Deus que o amor nos leve a construir uma sociedade mais fraterna e que haja mais paz no mundo.
Pe. João Batista Ramos Motta
Chanceler do Bispado

Diocese de Mogi das Cruzes completa 54 anos de criação

Criada pela Bula “Quo Christiana” do Papa João XXIII, em 09 de junho de 1962, e instalada aos 30 de dezembro de 1962, a Diocese de Mogi das Cruzes completa 54 anos de criação nesta quinta-feira, dia 09. Para celebrar, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, preside missa de Ação de Graças, às 19h30, na Catedral Diocesana Sant’Ana.

Histórico da Diocese de Mogi das Cruzes - SP

Criada pela Bula “Quo Christiana” do Papa João XXIII, em 09 de junho de 1962, e instalada aos 30 de dezembro de 1962, a Diocese de Mogi das Cruzes abrange os seguintes municípios:

  • Arujá
  • Biritiba Mirim
  • Ferraz de Vasconcelos
  • Guararema
  • Itaquaquecetuba
  • Mogi das Cruzes
  • Poá
  • Salesópolis
  • Santa Isabel
  • Suzano

Aos 11 de agosto de 1962, às 12:00, a Rádio Nove de Julho anunciou que o Santo Padre João XXIII havia criado a Diocese de Mogi das Cruzes, no Brasil, e nomeado seu primeiro Bispo, o Excelentíssimo e Reverendíssimo Dom Paulo Rolim Loureiro, o qual governou a Diocese até o falecimento, aos 02 de agosto de 1975. No dia 18 de agosto, organizou-se uma grande passeata, que percorreu as ruas principais da cidade de Mogi das Cruzes, em sinal de regozijo pela criação da Diocese de Mogi das Cruzes. Tomaram parte nesta passeata os estudantes e grande multidão, as associações religiosas da Paróquia Sant’Anna, a fanfarra do Instituto de Educação Dr. Washington Luís, em direção a Matriz. O Prof. Melhmann deveria fazer a acolhida, mas o Pe. Mello (Pe. Manuel Bezerra de Mello que ajudava o Cônego Roque Pinto de Barros) fez a acolhida da passeata e, em seguida, o Cônego Roque celebrou a Santa Missa em ação de graças pela criação da Diocese. A passeata e a celebração da Santa Missa foram irradiadas pela Rádio Metropolitana.

Em 09 de novembro de 1962, data da chegada do Exmo. Revmo. Dom Paulo Rolim Loureiro da sua viagem de Roma, foi organizada uma caravana para recebê-lo no Porto de Santos, na recepção do saguão de um dos armazéns do Porto, estavam a caravana de quatro ônibus de Mogi das Cruzes e, também, muitas pessoas de São Paulo. O Prof. Rodolpho Mehlmann, presidente da Comissão pró Diocese, acolheu Dom Paulo Rolim Loureiro em nome da Diocese de Mogi das Cruzes, surpreso e emocionado com a recepção.

No dia 30 de dezembro de 1962, acontecimento impar neste expirar do ano, foi a instalação da Diocese de Mogi das Cruzes e a tomada de posse do Exmo. Revmo. Dom Paulo Rolim Loureiro.

À frente da nova Diocese, deu continuidade aos trabalhos já iniciados quando bispo auxiliar em São Paulo. Encontrou 21 paróquias. Instalou, no início de 1963, duas paróquias já anteriormente criadas, porém não ainda instaladas. Esteve presente nos vários rincões da Diocese, tomando conhecimento da realidade, em suas numerosas visitas pastorais. Interessou-se pelos problemas sociais, usando da grande influência, a fim de obter melhorias. Criou ainda as paróquias de São Benedito de Biritiba Mirim (06-01-1963), São José Operário de Jundiapeba (25-01-1963), Santo Antônio do Mogi Moderno (15-08-1968), Nossa Senhora do Socorro (mesma data), Sagrado Coração de Jesus do Alto do Ipiranga (30-12-1968), São Pedro Apóstolo do Jardim São Pedro e, São Benedito da Vila Suissa (22-03-1970), Santa Cruz da Ponte Grande e S. José Operário do Mogilar (06-01-1971), N.S. Aparecida de Ferraz de Vasconcelos (12-10-1971), São Bento do Parateí (21-03-1972), Imaculado Coração de Maria do Jardim Universo (15-08-1974) e Nossa Senhora de Fátima de Calmon Viana, no Município de Poá (25-01-1975).

Adquiriu e fez reformar a propriedade de Afonso Avignon, a fim de instalar o seminário diocesano, prédio que foi abençoado em missa. Cuidou ainda do acabamento da Catedral, segundo as normas da Constituição “Sacrosanctum Concilium”, e da construção do Palácio Episcopal. Com o objetivo de preservar os monumentos e objetos de arte religiosa, começou a reunir, provisoriamente, em salão da Cúria Diocesana, a fim de preservá-las do desaparecimento, preciosas peças que ainda conseguiu encontrar. E, em 15 de agosto de 1970, criou oficialmente o Museu de Arte Sacra de Mogi das Cruzes, pelo Decreto nº. 276, dando assim condições à Diocese, de firmar convênios com órgãos públicos e entidades particulares. Empenhou-se pessoalmente pela preservação das históricas Igrejas do Carmo, por meio de contatos pessoais e por correspondência com a Província Carmelitana de Santo Elias, com o IPHAN-MEC, com a Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes e, até diretamente, com o próprio Ministro de Estado para os Negócios da Educação e Cultura, na época, o Dr. Ney Braga, gestões que resultaram no Convênio firmado entre as mencionadas entidades e a Diocese de Mogi das Cruzes, no dia 11 de agosto de 1971, para o tombamento e a restauração daqueles monumentos, com a consequente instalação do Museu de Arte Sacra de Mogi das Cruzes. Ao seu apoio deve-se ainda a criação dos cursos superiores em Mogi das Cruzes. Cedeu grande faixa da Fazenda de N. Sra. da Conceição, para que por ela passasse a Rodovia Mogi-Dutra, hoje Rodovia Pedro Eroles.

Faleceu, em acidente automobilístico, na tarde de 02 de agosto de 1975. Seu corpo foi velado na Catedral Diocesana, desde a noite de sábado, 02, até a tarde de segunda-feira, 04, por milhares de pessoas de todas as idades e condições sociais.

Durante a vacância, a Diocese foi administrada pelo Revdo. Pe. João de Oliveira Rosa Filho, nomeado Vigário Capitular pelo Eminentíssimo Senhor Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, Arcebispo de São Paulo.


Dom Pedro Luiz Stringhini celebra missa de

Corpus Christi, às 9:00 na Catedral Sant’Ana

Nesta quinta-feira, dia 26, Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, Corpus Christi, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, preside a Santa Missa, às 9:00, na Catedral Diocesana Sant’Ana. Após a missa, os fiéis saem em procissão pelas ruas centrais da cidade.

A Festa de “Corpus Christi” é a celebração em que solenemente a Igreja comemora o Santíssimo Sacramento da Eucaristia, presença real e sacramental de Cristo, e foi criada em 1264 pelo Papa Urbano IV, quando aprovou a Bula“Transiturus de hoc mundo”, em que prescreveu que na 5ª feira após a Solenidade da Santíssima Trindade, fosse oficialmente celebrada a festa em honra do Corpo do Senhor.

Na celebração, o Santíssimo Sacramento é levado em procissão pelas ruas. Nesta festa, os fiéis agradecem e louvam a Deus pelo inestimável dom da Eucaristia, na qual o próprio Senhor se faz presente como alimento e remédio de nossa alma. A Eucaristia é fonte e centro de toda a vida cristã. Nela está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, o próprio Cristo.

Em muitos lugares criou-se o costume de enfeitar as ruas com tapetes ornamentados, tudo em honra do Senhor que vem visitar o seu povo.


Jornada Diocesana da Juventude

Mensagem de Dom Pedro Luiz Stringhini aos jovens

Foto: Jornal do Povão de Salesópolis

A reportagem do JP falou com Dom Pedro que disse “neste quarto domingo da Páscoa, domingo do Bom Pastor e a Catedral de Santana de Mogi das Cruzes às 15:00 repleta de jovens de todos os nossos 10 municípios do Alto Tietê celebrando a Jornada Diocesana da Juventude”.

“Além de todos esses jovens que estiveram presentes na Catedral há muitos outros jovens pelas nossas Paróquias que foram hoje representados aqui”.

“Esperança de que a Igreja possa continuar cumprindo a sua missão, evangelizando os jovens e ao mesmo tempo contamos com os jovens no trabalho de evangelização”.

“Os jovens evangelizam com o testemunho de estarem na igreja, a alegria que transmitem, a pureza no coração e isso é o testemunho dos jovens para a sociedade”.

“Eu disse durante a homilia que a igreja conta com eles, mas que o país também conta com jovens bem formados, cristãos, repletos de valores humanos e de temor de Deus e assim vamos construir um país diferente”, concluiu Dom Pedro.


Jornada Diocesana da Juventude

Jovens participaram de missa e atividades

Aconteceu na tarde de domingo, 17 de abril na Catedral de Santana em Mogi das Cruzes a Jornada Diocesana da Juventude que contou com a participação de jovens das 10 paróquias que compõem a Diocese de Mogi das Cruzes – SP.

O Bispo Diocesano Dom Pedro Luiz Stringhini celebrou a missa das 15:00 especialmente aos jovens que lotaram a Catedral de Santana, localizada no centro da cidade de Mogi das Cruzes.

Após a missa os jovens se dirigiram em caminhada até o Colégio Instituto Dona Placidina onde participaram de peças teatrais e de um musical.


ASSEMBLEIA GERAL DA CNBB 2016

1 - O CATOLICISMO NO BRASIL – MUDANÇA DE RELIGIÃO NO BRASIL

O tema foi apresentado pela Dra. Sílvia Fernandes, do CERIS. Fez menção ao livro das Vozes –Religiões em Movimento: o Censo de 2010. Há um cenário de mudanças no contexto sócio religioso brasileiro e uma diminuição do percentual de católicos no Brasil. Os católicos somam 64% da população brasileira e o que se constata é que há um pluralismo cristão; há evangélicos não determinados e evangélicos não vinculados.

Os ‘sem religião’ somam 8,9% em 2010. E desses, só 0,5% declaram que não acreditam em Deus, ou seja, muitas vezes quando dizem que não têm religião estão dizendo que não frequentam igreja. A mobilidade (mudança de igreja) ocorre mais entre a idade de 20 a 50 anos.

Resumindo os dados: em 1980, os católicos somam 89%; em 1991, 83,3%; em 2000, 73,9% e, em 2010, 64,5%.

Há uma interpretação a partir do indivíduo: desinstitucionalização, experimentação, reconfiguração da pertença (tradição e emoção); e uma a partir da instituição: foco pastoral e eficácia, missão e método, periferias, etc.

2 - CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS NA IGREJA E NA SOCIEDADE

Este foi o tema central da Assembleia. E o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5,13-14). Sobre o assunto, a CNBB já elaborou os documentos de estudos 107 e 107 A. Os bispos se dirigem aos cristãos leigos e leigas “agradecidos pelo testemunho de sua fé, pelo amor e dedicação à Igreja e pelo entusiasmo com que se doam ao povo e às comunidades, até ao sacrifício de si, de suas famílias e de suas atividades profissionais” (n. 1). O documento vem marcado pela ideia de que “cada cristão leigo é chamado a ser umsujeito eclesial para atuar na igreja e no mundo” (n. 1).

Por vocação, os leigos são “corresponsáveis pela nova evangelização” (n. 2). A reflexão segue inspirada pelas “conclusões do Concílio Ecumênico Vaticano II, a atualidade da Conferência de Aparecida e a eclesiologia missionária e renovadora do Papa Francisco” (n. 2). Também “a realidade eclesial, pastoral e social dos tempos atuais torna-se um forte apelo” à reflexão sobre o tema do laicato (n. 3).

Citando a Lumen Gentium (n. 31), afirma-se que “a vocação própria dos leigos é administrar e ordenar as coisas temporais, em busca do Reino de Deus. São chamados por Deus a serem fermento de santificação no seio do mundo” (n. 5). São interpelados a agirem no “vasto e complicado mundo da política, da realidade social, da economia, da cultura, das ciências e das artes” (n.6, citando EN n.70).

Participar na ação pastoral da Igreja nasce do Batismo e da Crisma (cf. EG, n. 102) e tem a ver com a identidade, vocação, espiritualidade e missão dos leigos na Igreja e no mundo. Ou seja, há que se responder: Quem é o leigo? A que é chamado e quem é que chama? O que lhe dá sentido? O que realiza?

O documento segue o método ver-julgar-agir, isto é, ver “os rostos do laicato”, julgar “em perspectiva eclesiológica, considerando a diversidade de carismas e ministérios na Igreja” e agir, tratando da “ação transformadora dos cristãos leigos na Igreja e no mundo” (n. 12).

3 - PENSANDO O BRASIL: CRISES E SUPERAÇÕES

Esta reflexão corresponde à terceira edição do que já foi publicado na coleção Pensando o Brasil – 2016. A análise delimita aborda quatro aspectos: cultural, econômico, social, político. E os aborda em três partes: percepções da realidade (ver), reflexões à luz da doutrina social da Igreja (julgar) e indicações para superar as crises.

Na introdução, afirma que a Constituição de 1988 reconhece Direitos Sociais em vista dos quais há que se superar “interesses particulares no campo econômico”. Menciona também a existência de medidas legislativas “de caráter restritivo às franquias democráticas”. O país deveria passar da crise política à reforma política.

4 - DECLARAÇÃO SOBRE O MOMENTO POLÍTICO NACIONAL

Dessa declaração depreendem-se algumas necessidades: a de se combater a corrupção, que é intrínseca e historicamente solidificada e entranhada no país; a necessidade de se preservar as instituições (executivo, legislativo, judiciário, ministério público) e o estado democrático de direito, conquistado a duras penas; a necessidade de se preservar as conquistas e avanços sociais, cujas políticas públicas, nas últimas décadas, retiraram quarenta milhões de brasileiros da extrema pobreza; a necessidade de uma ampla e profunda reforma política, que modifique a estrutura viciada da nossa democracia, a começar pelo sistema eleitoral. A essa reforma deveriam seguir outras, como a tributária, que penaliza os pobres e privilegia os mais ricos.

5 - MENSAGEM PARA AS ELEIÇÕES 2016

A mensagem convoca os católicos à participação cidadã, para que se possa sonhar “com um país próspero, democrático, sem corrupção, socialmente igualitário, economicamente justo, ecologicamente sustentável, sem violência nem discriminação, sem mentiras e com oportunidades iguais para todos”.

As eleições municipais, em que se elegem prefeitos e vereadores despertam interesse nos eleitores, visto serem os candidatos mais conhecidos, daí ser o pleito propícia ocasião para um sadio exercício cívico de participação. A conduta ética é evocada como indispensável requisito a ser exigido dos que se apresentam para serem representantes do povo. “A Lei da Ficha Limpa há de ser, neste caso, o instrumento iluminador do eleitor para barrar candidatos de ficha suja”.

Requer-se dos candidatos, especialmente se se apresentar como católico, compromisso com a defesa “da vida, com a ética, com a transparência, com o fim da corrupção”. É salutar também “a renovação de candidaturas pondo fim ao carreirismo político”. Enfim, sejam “as eleições municipais ocasião de fortalecimento da democracia”.

6 - AMORIS LAETITIA – A ALEGRIA DO AMOR

A Exortação Apostólica Pós-Sinodal do Papa Francisco denomina-se Amoris Laetitia, com o subtítuloSobre o Amor na Família. Foi editada pelas Edições CNBB, na coleção Documentos Pontifícios 24 (2016). É dirigida aos bispos, aos presbíteros e aos diáconos, às pessoas consagradas, aos esposos cristãos e a todos os fieis leigos. Possui nove capítulos, que, em resumo trata dos temas: a Palavra de Deus que ilumina, a realidade e os desafios das famílias, a vocação família (a partir de Jesus), o amor no matrimônio (a partir de 1Cor 13), o amor que se torna fecundo (nos membros da família), algumas perspectivas pastorais, aeducação dos filhos, a fragilidade (situações “irregulares”), espiritualidade conjugal e familiar. Destacam-se alguns enfoques da exortação papal:

  1. Mais que o critério jurídico, considera-se a pessoa; isto é, mais que a moral dos princípios (normas gerais), privilegia a moral da situação, com enfoque na misericórdia. Além do que, o Papa dá ênfase à dimensão positiva, da alegria, da beleza da família, que não deve ser vista como problema mas como oportunidade;
  2. O Papa fala de situações de fragilidade mais que situações irregulares ou situações de pecado, ou seja, leva em consideração aspectos psicológicos, os sentimentos;
  3. Aposta-se no trabalho preventivo, educativo (educação para o amor, o sentido da vida e da sexualidade) e na formação das consciências.
  4. No sentido pastoral e evangelizador, há que se promover o acompanhamento aos jovens, a preparação dos noivos para o matrimônio, a pastoral familiar para os casados;
  5. Necessidade dos pastores a dedicarem-se ao acompanhamento atencioso às pessoas, casais, famílias, que passam por problemas. Cuidar dos feridos (hospital de campanha) e dos sadios para que não se firam;

Muito importante é o que o Papa chama de recurso à gradualidade quando se trata de abordar as situações de fragilidade, isto é, não se deve tomar como ponto de partida o ideal (as exigências objetivas da lei), mas a situação real de tantas pessoas que podem estar no início de um caminho de superação de dificuldades para depois se dar passos e um dia atingir a situação ideal.

7 - RETIRO ESPIRITUAL – SOBRE A MISERICÓRDIA

O cardeal Gianfranco Ravasi apresentou quatro meditações: Três ícones da Misericórdia, O caminho da misericórdia, A casa da misericórdia, O ventre da misericórdia. Os três ícones ideais são: de Deus, do seu Cristo e do fiel.

O ponto de partida é a fé bíblica de que nosso Deus é um Deus misericordioso. E que a misericórdia não anula a justiça; antes, a aperfeiçoa. E a justiça com misericórdia encontra seu ponto de equilíbrio. E que “a onipotência de Deus não é princípio prevaricação, mas de misericórdia. Exatamente porque tudo pode, Deus tem compaixão de todos”. Reflete sobre textos emblemáticos referentes ao que foi afirmado: Ex 34,6-7, o livro da Sabedoria (9,1; 12,18-19).

Paulo afirma que “Deus, que é rico em misericórdia, pelo amor imenso com que nos amou, precisamente a nós que estávamos mortos pelas nossas faltas, deu-nos a vida com Cristo. É por graça que fostes salvos” (Ef 2,4-5).

Por fim, teceu considerações sobre o que se espera da Igreja: 1. uma Igreja submetida e nutrida pela Palavra de Deus; 2. uma Igreja que tenha como centro a Eucaristia; 3. uma Igreja da misericórdia, da caridade, da justiça; 4. uma Igreja que fala mais pelo testemunho operoso que pelos documentos; 5. uma Igreja consciente da necessidade da distinção entre Fé e Política (dai a César o que é de César ...) e ao mesmo tempo marca presença na Sociedade; 6. uma Igreja que não teme a cultura e as culturas (diálogo entre fé e ciência); 7. uma Igreja do Espírito Santo e do discernimento, atenta aos sinais dos tempos, menos engessada, mais livre e mais festiva.

Dom Pedro Luiz Stringhini

Aparecida – SP, 15 de abril de 2016


Jubileu da Misericórdia para a Juventude e Vocacionados na

Diocese de Mogi das Cruzes

Neste domingo, dia 17, acontece o Jubileu da Misericórdia para a Juventude e Vocacionados (seminaristas e candidatos à vida religiosa e consagrada), evento que faz parte do cronograma diocesano para o Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Ano Santo instituído pelo Papa Francisco.

A programação tem início às 14h, com a concentração dos jovens na Praça Coronel Benedito de Almeida (em frente à Catedral Diocesana Sant’Ana), na região central de Mogi das Cruzes, e em seguida, se dirigem à Igreja Matriz, onde terão a oportunidade de entrar pela Porta Santa. Às 15h, a Santa Missa presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, na Catedral Sant’Ana.

O evento é para toda a juventude da Diocese de Mogi das Cruzes, que inclui as dez cidades do Alto Tietê.

Após a celebração eucarística, os jovens seguem para a quadra de esportes do colégio Instituto Dona Placidina, onde estão programadas apresentações musicais e teatrais.

A Jornada Diocesana da Juventude (JDJ), que acontece anualmente, foi integrada ao Jubileu da Misericórdia para Juventude neste Ano Santo. O tema da JDJ é “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão a misericórdia” (Mt 5,7), a Jornada é organizada pelo Setor Juventude da Diocese de Mogi das Cruzes, coordenado pelo Pe. Reginaldo Martins da Silva, pároco da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, em Poá.

Programação (sujeita à alteração)

14:00 – Concentração na Praça Cel. Benedito de Almeida (em frente à Catedral Diocesana);
15:00 – Santa Missa presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini;
16:30 – Caminhada até o colégio Instituto Dona Placidina;
17:00 – Animação;
17:30 – Apresentação teatral e musical;

17:50 – Bênção final e Lanche.


Mogi das Cruzes

Dom Pedro Celebra Missa dos Santos Óleos 

Na manhã de quinta-feira às 9:00 foi celebrada na Catedral de Sant’Ana em Mogi das Cruzes a Missa dos Santos Óleos celebrada pelo Bispo Diocesano Dom Pedro Luiz Stringhini.

Todos os padres das 10 cidades do Alto Tietê que compõem a Diocese de Mogi das Cruzes estiveram presentes a Celebração que foi marcada pela bênção dos óleos que serão utilizados no decorrer do ano pela Igreja Católica.


Celebrações do Tríduo Pascal tem início nesta quinta-feira, dia 24

Igreja Católica celebra a Paixão, a morte e a

Ressurreição de Jesus Cristo

No dia 24 de março, Quinta-feira Santa, iniciam as celebrações do Tríduo Pascal: a Paixão, a morte e a Ressurreição de Jesus Cristo. Pela manhã, às 9:00, na Catedral Sant’Ana, é celebrada a Missa do Crisma (Missa dos Santos Óleos) e Renovação das Promessas Sacerdotais, presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini e concelebrada por todo o clero da Diocese de Mogi das Cruzes.

Durante a Missa Crismal, há a consagração do óleo do Crisma e a benção dos óleos dos Catecúmenos (utilizados no Batismo) e dos Enfermos. E os presbíteros renovam as promessas sacerdotais, os votos perante a Igreja e o compromisso com Deus e a sociedade.

Também, na Quinta-Feira Santa é celebrada a Ceia do Senhor (Lava-pés), que recorda a última ceia de Cristo com os apóstolos antes da crucificação, é a instituição da Eucaristia e do Sacramento da Ordem, presente na ação do serviço (o lavar os pés é um símbolo de estar a serviço). O bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, irá presidir às 19:30, na Catedral Sant’Ana.

No dia 25, Sexta-Feira da Paixão de Cristo, dia de Jejum e abstinência – única data do ano em que não há missas na Igreja Católica – é a Celebração da Paixão do Senhor e Adoração da Cruz, às 15:00, na Catedral Diocesana Sant’Ana, com Dom Pedro Luiz Stringhini. Às 19:00, o bispo diocesano participa da Procissão do Senhor Morto, que sai da paróquia Nossa Senhora do Carmo, na região central de Mogi das Cruzes, em direção à Catedral.

No Sábado Santo, dia 26 de março, a Missa da Vigília Pascal (Celebração da Luz e Renovação das Promessas Batismais), presidida por Dom Pedro Luiz Stringhini é às 20:00, na Catedral Sant’Ana. É a celebração mais importante do calendário litúrgico da Igreja Católica, quando a Igreja se coloca em vigília à espera da vitória de Jesus sobre a morte.

No domingo da Páscoa da Ressurreição do Senhor, dia 27, o bispo diocesano celebra às 10:00, na Comunidade Santo Expedito da Paróquia São José Operário, em Jundiapeba, e às 19h30, na Catedral Sant’Ana.

Agenda do bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini:

24/03 (quinta-feira) – Missa Crismal: 9:00 – Catedral Diocesana, em Mogi das Cruzes;

24/03 (quinta-feira) – Missa da Ceia do Senhor (Lava-pés): 19:30 – Catedral Diocesana, em Mogi das Cruzes;

25/03 (sexta-feira) – Paixão do Senhor: 15:00 – Catedral Diocesana, em Mogi das Cruzes;

25/03 (sexta-feira) – Procissão do Senhor Morto: 19:00 – Saída da Igreja Matriz da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Mogi das Cruzes;

26/03 (sábado) – Vigília Pascal: 20:00 – Catedral Diocesana, em Mogi das Cruzes;

27/03 (domingo) – Ressurreição do Senhor: 10:00 – Comunidade Santo Expedito da Paróquia São José Operário, em Mogi das Cruzes;

19:30 – Catedral Diocesana, em Mogi das Cruzes. 

Programação das outras paróquias no site da Diocese de Mogi das Cruzes:

http://diocesedemogi.org.br/nossa_diocese_noticia.php?id=464


15 anos de Ordenação Episcopal de Dom Pedro

Missa em Ação de Graças na Catedral de Santana em Mogi das Cruzes

 

Realizou-se na noite de quinta-feira, 10 de março na Catedral de Santana em Mogi das Cruzes missa de Ação de Graças em comemoração aos 15 anos de Ordenação Episcopal de Dom Pedro Luiz Stringhini..

Estiveram presentes a Celebração Padres das diversas Paróquias da Diocese de Mogi das Cruzes e Seminaristas.

A reportagem do JP falou com o Bispo Diocesano Dom Pedro Luiz Stringhini que fez uma reflexão dos 15 anos de sua Ordenação Episcopal.

“Quinze anos é um bom tempo e eu estive em três Dioceses em São Paulo na Região de Belém, depois na Diocese de Franca e agora há três anos e meio na Diocese de Mogi das Cruzes.

“Foi muito bom celebrar nesta noite (quinta-feira, 10 de março) em que completo 15 anos de Episcopado, porque estar junto com os Padres, Diáconos, Seminaristas, Religiosas, Religiosos, Pastorais, Paróquias, Capelas e como é bonita a nossa Igreja, como é bonita a nossa Diocesse e como o nosso Deus é tão bom e generoso de suscitar tantos carismas que vem do Espírito Santo, tantas graças e bênçãos”.

“Mesmo chovendo o tempo todo, que já é bom e ainda representando uma chuva de bênçãos que Deus manda não somente para mim, mas para todos nós, para cada um, para a nossa igreja e para nosso povo”, concluiu Dom Pedro.


Dom Pedro Luiz Stringhini completa 15 anos como bispo

Nesta quinta-feira, dia 10, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, completa 15 anos de Ordenação Episcopal. Para celebrar a data, o bispo da Diocese de Mogi das Cruzes irá presidir uma missa de Ação de Graças, às 19h30, na Catedral Sant’Ana, localizada à Praça Coronel Benedito de Almeida, s/nº, em Mogi das Cruzes.

Dom Pedro Luiz Stringhini foi ordenado bispo pelo então arcebispo metropolitano de São Paulo, Dom Cláudio Hummes, em 10 de março de 2001, e tem como lema episcopal “Em resposta a Tua Palavra” (Lc 5,5). Natural de Laranjal Paulista, no Estado de São Paulo, nasceu no dia 17 de agosto de 1953, foi ordenado sacerdote pela imposição das mãos de Dom Paulo Evaristo Arns, em 09 de agosto de 1980. Entre 2001 e 2009, Dom Pedro Luiz Stringhini foi bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo. Em 30 de dezembro de 2009, foi nomeado pelo então Papa Bento VXI, como bispo da Diocese de Franca, onde permaneceu até novembro de 2012, quando tomou posse na Diocese de Mogi das Cruzes (em 19 de setembro, nomeado bispo da Diocese de Mogi das Cruzes e no dia 24 de novembro, posse como o quinto bispo da Diocese).

Currículo

- Bacharel em Letras pela Faculdade Anchieta (Jesuítas)/SP (1972-1974);

- Bacharel em Teologia pela Faculdade de Teologia de Nossa Senhora da Assunção/SP (1977-1980);

- Mestre em Exegese Bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (1987-1990);

- Cursos e pesquisa para o Doutorado em Sagrada Escritura pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma (1994-1995).

Cronologia

- 1980-1983: Pároco da Paróquia de São Mateus Apóstolo, Região Episcopal Belém/SP;

- 1984-1986: Reitor do Seminário de Filosofia Santo Cura D’Ars da Arquidiocese de São Paulo;

- 1987-1990: Estudos para o Mestrado em Exegese Bíblica, Roma/It.

- 1991-2000: Professor de Bíblia na Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo; atendimento pastoral durante os finais de semana no assentamento “Sem Teto”, no Jardim da Conquista (Região Episcopal Belém); cursos para o doutorado em Roma e Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, Tatuapé/SP;

- 2001-2009: Bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo;

- 2010-2012: Terceiro bispo da Diocese de Franca/SP;

- 2012: em 19 de setembro, nomeado Bispo da Diocese de Mogi das Cruzes e no dia 24 de novembro, posse como o quinto bispo da Diocese.


Domingo, 6 de Março

Abertura da Porta Santa da Igreja

Santos Apóstolos em Itaquaquecetuba

Neste domingo, dia 6, às 14:30, a Diocese de Mogi das Cruzes fará a abertura da Porta Santa da Igreja Santos Apóstolos, em Itaquaquecetuba, em celebração presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, seguindo a orientação do Papa Francisco para o Jubileu Extraordinário da Misericórdia. 

A concentração será a partir das 14:00 em um espaço próximo a Prefeitura Municipal de Itaquaquecetuba (Av. Ver. João Fernandes da Silva, 283 - Vila Virginia) e em seguida, os fiéis seguirão em procissão até a Igreja para a celebração.

Jubileu Extraordinário da Misericórdia

O Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Ano Santo, foi anunciado pelo Papa Francisco no dia 13 de março de 2015 e em 11 de abril, publicou a Bula de Proclamação Misericordiae Vultus, com o lema “Misericordiosos como o Pai” (Lc 6,36). O início aconteceu no dia 8 de dezembro de 2015, na Solenidade da Imaculada Conceição, com a abertura da Porta Santa da Basílica de São Pedro, em Roma, e o encerramento está marcado para o dia 20 de novembro de 2016, na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo.

Na Igreja Católica, a cada 25 anos é proclamado um Jubileu para celebrar algo em especial, mas é possível que o Papa proclame um Jubileu Extraordinário, como o fez agora. “Há momentos em que somos chamados, de maneira ainda mais intensa, a fixar o olhar na misericórdia, para nos tornarmos nós mesmos sinal eficaz do agir do Pai. Foi por isso que proclamei um Jubileu Extraordinário da Misericórdia como tempo favorável para a Igreja, a fim de se tornar mais forte e eficaz o testemunho dos crentes”, escreveu o Santo Padre na Bula.

Ainda, durante os anos jubilares, são abertas as “Portas Santas”, que é na tradição cristã o próprio Cristo. “Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem” (Jo 10,9). Na Diocese de Mogi das Cruzes, além da Catedral Diocesana, os Santuários Cristo Amor Misericordioso e Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito, os três em Mogi das Cruzes, e a Igreja Santos Apóstolos, em Itaquaquecetuba, foram declaradas Igrejas jubilares e assim, terão a Porta Santa e serão locais de peregrinação.

A peregrinação também é um pedido dos Anos Santos, por isso, os fiéis católicos para viverem a experiência mística deste período devem se deslocar até uma Igreja Jubilar, é um ícone do caminho que cada pessoa realiza na sua existência. “A vida é uma peregrinação e o ser humano é viator, um peregrino que percorre uma estrada até à meta anelada. Também para chegar à Porta Santa, tanto em Roma como em cada um dos outros lugares, cada pessoa deverá fazer, segundo as próprias forças, uma peregrinação. Esta será sinal de que a própria misericórdia é uma meta a alcançar que exige empenho e sacrifício. Por isso, a peregrinação há de servir de estímulo à conversão: ao atravessar a Porta Santa, deixar-nos-emos abraçar pela misericórdia de Deus e comprometer-nos-emos a ser misericordiosos com os outros como o Pai o é conosco”, destacou Papa Francisco.

Durante o Jubileu, os fiéis podem receber as indulgências, assim neste período de um ano, ao passar pela Porta Santa nas Igrejas Jubilares, as pessoas deverão realizar as condições habituais para a concessão de indulgências: a profissão de fé e a oração pelo Papa e pelas suas intenções, ainda a confissão sacramental e a comunhão eucarística. De acordo com o Catecismo da Igreja Católica (CIC): “A indulgência é a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em certas e determinadas condições pela ação da Igreja que, enquanto dispensadora da redenção, distribui e aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos. Em geral, a obtenção das Indulgências exige determinadas condições e o cumprimento de certas obras”.

O Santo Padre estendeu às indulgências a dois casos, que de uma forma ou de outra, estão impossibilitados de peregrinar até uma Porta Santa: aos doentes e idosos, e aos presos. O Papa Francisco concedeu asindulgências jubilares desde que vivam este momento de sofrimento “com fé e esperança jubilosa, recebendo a comunhão ou participando na santa Missa e na oração comunitária, inclusive através dos meios de comunicação”, e aos presos, também, todas as vezes que passarem pela porta da cela, dirigindo o pensamento e a oração ao Pai, este gesto deve significar para eles a passagem pela Porta Santa, e estar arrependidos dos crimes cometidos.


A partir do dia 22 de fevereiro, a Diocese de Mogi das Cruzes

terá o próprio Tribunal Eclesiástico

Na próxima segunda-feira, dia 22, às 10h, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, preside missa de criação e instalação do Tribunal Eclesiástico Diocesano de Mogi das Cruzes, na Catedral Sant’Ana, localizada à Praça Coronel Benedito de Almeida, s/n – bairro: Centro – Mogi das Cruzes/SP

O Tribunal Eclesiástico, de acordo com o Código de Direito Canônico (CDC), é um tribunal da Igreja que realiza a justiça canônica e direciona os caminhos corretos a serem seguidos em determinadas situações da vida da Igreja, afim de que ela possa cumprir a missão que Cristo lhe incumbiu.

A instalação de um tribunal na Diocese segue a orientação do Papa Francisco no Motu Proprio “Mitis Iudex Dominus Iesus”, sobre a reforma do processo canônico para as causas de declaração de nulidade do matrimônio, de agosto de 2015, que substituiu integralmente o antigo processo, conforme os cânones 1671-1691 que foram reformados no Código de Direito Canônico de 1983, e tem como objetivo agilizar o julgamento dos processos, que antes eram encaminhados ao Tribunal de São Paulo, e também, reduzir os custos do processo. “O Papa deseja tornar a justiça eclesiástica mais acessível e quis que houvesse maior proximidade entre o juiz e as partes para que o processo se torne mais ágil e assim as barreiras que muitas vezes se davam por conta do distanciamento e da falta de acesso dos fiéis aos tribunais fossem superadas. E, também, há a preocupação pastoral por parte da Igreja, que é mãe para com seus filhos, que feridos por uma experiência de matrimônio falido, consequentemente, os deixam em uma situação jurídica de irregularidade quando depois de separados acabam por contrair uma nova união”, destaca o Pe. Antonio Robson Gonçalves, MSJ, que é o vigário-geral da Diocese, e será o vigário judicial e juiz presidente do Tribunal Diocesano.

Em um Tribunal Eclesiástico Diocesano, o bispo é o moderador, responsável por julgar as causas chamadas rito sumário ou breve; e o CDC prevê três tipos de processos: documental, por via ordinária e por rito sumário ou breve. O Pe. Antonio Robson Gonçalves, MSJ, será o vigário judicial e juiz presidente (Bacharel em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ - 1993), mestrado em Direito Canônico pelo Instituto de Direito Canônico Pe. Dr. Giuseppe Benito Pegoraro - São Paulo, filiado à Pontificia Universitas Lateranensis de Roma (2005); e doutorado em Direito Canônico pela Pontificia Universitas Lateranensis de Roma (2010). Atualmente, é professor titular da Faculdade de Filosofia e Teologia Paulo VI em Mogi das Cruzes-SP e professor convidado no Curso de Extensão de Direito Canônico do Instituto de Direito Canônico Pe. Dr. Giuseppe Benito Pegoraro - São Paulo, agregado à Pontificia Universitas Lateranensis de Roma. Lecionou Direito Canônico no Instituto São Paulo de Ensino Superior (ITESP)).

O Tribunal irá funcionar em prédio anexo ao salão da Catedral Diocesana Sant’Ana e atender no horário de segunda a sexta-feira, das 8:00 às 12:00 e das 14:00 às 17:00.


Casa Comum, nossa Responsabilidade!

A campanha da fraternidade realiza, em 2016, sua 53ª edição, a sexta que trata da ecologia e a quarta realizada de forma ecumênica, com a participação das igrejas cristãs luterana, presbiteriana, metodista, ortodoxa siriana, episcopal anglicana que, com a Igreja católica, fazem parte do Conselho Nacional das Igrejas cristãs (Conic).

“Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Amós 5,24) é o lema. Direito e justiça constituem um binômio recorrente na pregação dos profetas e nos salmos do Antigo Testamento: “observai o direito e praticai a justiça” (Isaías 56,1); “praticai o direito e a justiça, não oprimais o estrangeiro” (Jeremias 22,3).

Essa mensagem profética tem norteado as campanhas da fraternidade na linha da justiça social, associada, nos dias de hoje, à justiça ambiental. Dessa premissa maior decorrem temas específicos, como o atual, com enfoque no direito da população ao saneamento básico e à água potável de qualidade, indispensáveis para se ter saúde integral e qualidade de vida.

Saneamento básico, segundo a legislação brasileira, compreende: abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos, manejo dos resíduos sólidos, drenagem das águas de chuva e controle de reservatórios e dos agentes transmissores de doenças.

No Brasil, 82% da população brasileira têm acesso à água tratada, contudo, mais de 100 milhões de pessoas no país ainda não possuem coleta de esgotos e apenas 39% destes esgotos são tratados, sendo a outra parte descartada na natureza ou despejada nos rios.

Há no Brasil um Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab), uma legislação e uma política de saneamento. Cada município deve elaborar seu Plano Municipal de Saneamento (PMSB), com possibilidade de receber dinheiro público para aplicar em projetos afins. Fica o apelo de mobilização dos cidadãos, vereadores, prefeitos, ministério público, meios de comunicação, para fazer acontecer o plano municipal.

O texto base da campanha, depois de constatar a realidade (ver), analisá-la com critérios bíblicos (julgar), conclama os cidadãos a assumir compromissos (agir), que vão das atitudes individuais às iniciativas de cunho comunitário. Já em casa pode-se fazer a coleta seletiva de material descartável, plantar, economizar água, evitar criadouros de mosquitos.

De forma coletiva, podem-se organizar ações nos condomínios, entre vizinhos, nas associações de bairros, conselhos comunitários, tendo em vista a implantação de políticas públicas de saúde e de defesa do meio ambiente e vida sustentável com qualidade para todos, sem se esquecer dos mais pobres. O saneamento básico é um direito de todo cidadão e será conquistado pelo trabalho, esforço comum, educação ambiental e consciência política.

Dom Pedro Luiz Stringhini

Mogi das Cruzes, 11 de fevereiro de 2016


Diocese de Mogi das Cruzes celebra a ordenação de mais um sacerdote

O diácono Ubirajara Gonçalves, que ficou viúvo em 2015, será ordenado padre neste sábado, dia 06

Neste sábado, dia 06, às 9h, o diácono Ubirajara Gonçalves será ordenado sacerdote pela imposição das mãos e prece consecratória do bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, em celebração na Catedral Sant’Ana, localizada na Praça Coronel Benedito de Almeida, s/nº, em Mogi das Cruzes.

Ubirajara Gonçalves foi ordenado diácono permanente em 2013 (diaconato permanente: conferido a homens casados, que cumprem um ministério diaconal na vida litúrgica e pastoral, segundo o Catecismo da Igreja Católica). No ano passado, com o falecimento da esposa, Maria Aparecida de Oliveira Gonçalves, o diácono apresentou ao bispo diocesano o desejo de ser ordenado sacerdote, o que foi possível após a análise e a aprovação junto ao Conselho Diocesano de Presbíteros.

Natural do município de Poá, o diácono Ubirajara nasceu no dia 02 de agosto de 1962, foi casado por 21 anos e teve um filho, Samuel Felipe de Oliveira Gonçalves, 19, que no início de 2016, ingressou no seminário diocesano, na Casa Propedêutica “Nossa Senhora do Socorro”, também, com o desejo de ser ordenado presbítero.

Ubirajara Gonçalves exerce o ministério diaconal na Paróquia Nossa Senhora da Escada e São Benedito, em Guararema, e escolheu como lema sacerdotal: “Basta-te a minha graça.” (2Cor 12,9).

Na Diocese de Mogi das Cruzes, é o primeiro caso em que um diácono permanente é ordenado padre.


Mogi das Cruzes

Igreja São Benedito será na segunda-feira, dia 25

Abertura da Porta Santa do Santuário Senhor Bom Jesus

Na próxima segunda-feira, dia 25 de janeiro, Festa da Conversão de São Paulo Apóstolo, às 19:00, a Diocese de Mogi das Cruzes fará a abertura da Porta Santa do Santuário Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito, em celebração presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, seguindo a orientação do Papa Francisco para o Jubileu Extraordinário da Misericórdia.

A Porta Santa, na fé cristã, é o próprio Cristo: “Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem” (Jo 10,9), e deve ser lugar de peregrinação, por isso, uma orientação do Jubileu é que os fiéis católicos se desloquem até uma Igreja Jubilar para que vivam a experiência mística deste período.

Na Diocese de Mogi das Cruzes, Dom Pedro Luiz Stringhini designou três locais como Igrejas Jubilares por ocasião do Ano Santo: a Catedral Diocesana Sant’Ana e os Santuários Diocesanos Cristo Amor Misericordioso e Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito, todas no município de Mogi das Cruzes.

Jubileu Extraordinário da Misericórdia

O Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Ano Santo, foi anunciado pelo Papa Francisco no dia 13 de março de 2015 e em 11 de abril, publicou a Bula de Proclamação Misericordiae Vultus, com o lema “Misericordiosos como o Pai” (Lc 6,36). O início aconteceu no dia 8 de dezembro de 2015, na Solenidade da Imaculada Conceição, com a abertura da Porta Santa da Basílica de São Pedro, em Roma, e o encerramento está marcado para o dia 20 de novembro de 2016, na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo.

Na Igreja Católica, a cada 25 anos é proclamado um Jubileu para celebrar algo em especial, mas é possível que o Papa proclame um Jubileu Extraordinário, como o fez agora. “Há momentos em que somos chamados, de maneira ainda mais intensa, a fixar o olhar na misericórdia, para nos tornarmos nós mesmos sinal eficaz do agir do Pai. Foi por isso que proclamei um Jubileu Extraordinário da Misericórdia como tempo favorável para a Igreja, a fim de se tornar mais forte e eficaz o testemunho dos crentes”, escreveu o Santo Padre na Bula.

Ainda, durante os anos jubilares, são abertas as “Portas Santas”, que é na tradição cristã o próprio Cristo. “Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem” (Jo 10,9). Na Diocese de Mogi das Cruzes, além da Catedral Diocesana, os Santuários Cristo Amor Misericordioso e Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito, foram declaradas Igrejas jubilares e assim, terão a Porta Santa e serão locais de peregrinação.

A peregrinação também é um pedido dos Anos Santos, por isso, os fiéis católicos para viverem a experiência mística deste período devem se deslocar até uma Igreja Jubilar, é um ícone do caminho que cada pessoa realiza na sua existência. “A vida é uma peregrinação e o ser humano é viator, um peregrino que percorre uma estrada até à meta anelada. Também para chegar à Porta Santa, tanto em Roma como em cada um dos outros lugares, cada pessoa deverá fazer, segundo as próprias forças, uma peregrinação. Esta será sinal de que a própria misericórdia é uma meta a alcançar que exige empenho e sacrifício. Por isso, a peregrinação há de servir de estímulo à conversão: ao atravessar a Porta Santa, deixar-nos-emos abraçar pela misericórdia de Deus e comprometer-nos-emos a ser misericordiosos com os outros como o Pai o é conosco”, destacou Papa Francisco.

Durante o Jubileu, os fiéis podem receber as indulgências, assim neste período de um ano, ao passar pela Porta Santa nas Igrejas Jubilares, as pessoas deverão realizar as condições habituais para a concessão de indulgências: a profissão de fé e a oração pelo Papa e pelas suas intenções, ainda a confissão sacramental e a comunhão eucarística. De acordo com o Catecismo da Igreja Católica (CIC): “A indulgência é a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em certas e determinadas condições pela ação da Igreja que, enquanto dispensadora da redenção, distribui e aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos. Em geral, a obtenção das Indulgências exige determinadas condições e o cumprimento de certas obras”.

O Santo Padre estendeu às indulgências a dois casos, que de uma forma ou de outra, estão impossibilitados de peregrinar até uma Porta Santa: aos doentes e idosos, e aos presos. O Papa Francisco concedeu as indulgências jubilares desde que vivam este momento de sofrimento “com fé e esperança jubilosa, recebendo a comunhão ou participando na santa Missa e na oração comunitária, inclusive através dos meios de comunicação”, e aos presos, também, todas as vezes que passarem pela porta da cela, dirigindo o pensamento e a oração ao Pai, este gesto deve significar para eles a passagem pela Porta Santa, e estar arrependidos dos crimes cometidos.


 Aniversário de Instalação da Diocese de Mogi das Cruzes e

Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria, e Dia Mundial da Paz

53º Aniversário de Instalação da Diocese de Mogi das Cruzes

Na quarta-feira, dia 30 de dezembro, às 19:30, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, presidiu a missa de Ação de Graças pelo 53º aniversário de instalação da Diocese de Mogi das Cruzes, na Catedral Sant’Ana.

Criada pela Bula “Quo Christiana” do Papa João XXIII, em 9 de junho de 1962, e instalada aos 30 de dezembro de 1962, a Diocese de Mogi das Cruzes abrange os seguintes municípios: Arujá, Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis, Santa Isabel e Suzano. No dia 11 de agosto de 1962, às 12:00, a Rádio Nove de Julho anunciou que o Santo Padre João XXIII havia criado a Diocese de Mogi das Cruzes, no Brasil, e nomeado o primeiro bispo, Dom Paulo Rolim Loureiro, o qual governou a Diocese até o falecimento, em 2 de agosto de 1975.

Dom Pedro Luiz Stringhini é o quinto bispo diocesano, tomou posse no dia 24 de novembro de 2012. Antes, Dom Airton José dos Santos governou de 26 de setembro de 2004 a 15 de fevereiro de 2012; Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, de 11 de fevereiro de 1990 a 4 de agosto de 2004; e Dom Emilio Pignoli, de 4 de julho de 1976 a 14 de fevereiro de 1989.

Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria, e Dia Mundial da Paz

No dia 31 de dezembro, quinta-feira, às 19:30, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, preside a Santa Missa na Catedral Diocesana Sant’Ana.

No dia 1 de janeiro de 2016, celebração da Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria, e Dia Mundial da Paz, o bispo diocesano celebra às 16:00, na Comunidade Santa Rita de Cássia da Paróquia São Judas Tadeu, em Mogi das Cruzes.


Mogi das Cruzes

Dom Pedro Luiz Stringhini recebe título de cidadão mogiano

Na noite de terça-feira, 15 de dezembro, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini recebeu o título de cidadão Mogiano, decreto de iniciativa dos vereadores Antônio Lino da Silva e Iduigues Ferreira Martins, na Sede do Poder Legislativo de Mogi das Cruzes.

O apoio às causas sociais foi citado por diversas vezes durante a cerimônia, destaques para a preocupação ecológica, como a preservação da Serra do Itapeti, e o apoio aos mais necessitados na luta por moradias e condições básicas para se viver, entre muitas outras.

No discurso, o bispo de Mogi das Cruzes agradeceu a homenagem, aos presentes e lembrou algumas ações durante estes três anos à frente da Diocese, em que manteve a preocupação em fortalecer o trabalho das pastorais para o favorecimento da dignidade humana em todos os âmbitos. Ao encerrar, deixou uma mensagem para o Natal: “Nesse tempo, preparamos a festa do Natal, em que Jesus Cristo, Deus criança, mais uma vez vem ao nosso encontro; Ele que é o rosto divino do humano e rosto humano de Deus. E desse encontro só pode brotar justiça e paz, amor e alegria, na concórdia, harmonia e felicidade.”.

Também, compuseram a mesa diretiva, o bispo emérito, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, o Pe. Antônio Robson Gonçalves, vigário geral da Diocese de Mogi das Cruzes, o presidente do Legislativo de Mogi das Cruzes e um dos autores da homenagem, o vereador Antônio Lino, o vereador Juliano Abe, o prefeito Marco Aurélio Bertaiolli, o desembargador José Renato Nalini, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Bruno Machado Miano, juiz diretor do Fórum de Mogi das Cruzes, o deputado estadual Luiz Carlos Gondim, e Renato Cocenza, diretor de operações do grupo O Diário.

Além dos citados acima, parte do clero diocesano, autoridades locais e fiéis da região estiveram presentes na entrega do título.

Em fevereiro de 2014, Dom Pedro Luiz Stringhini recebeu o título de cidadão itaquaquecetubense.


Religião

Abertura da Porta Santa da Catedral Diocesana Sant’Ana

será neste domingo

Neste domingo, dia 13 de dezembro, a Diocese de Mogi das Cruzes fará a abertura da Porta Santa da Catedral Sant’Ana, como parte da celebração do Jubileu Extraordinário da Misericórdia. Os fiéis irão se concentrar no Largo do Rosário (Praça da Marisa), a partir das 14h30, e em seguida, às 15h, saem procissão em direção à Catedral Diocesana para a celebração da abertura da Porta Santa e missa presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini.

O Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Ano Santo, tem o lema “Misericordiosos como o Pai” (Lc 6,36) e foi anunciado pelo Papa Francisco no dia 13 de março de 2015 e em 11 de abril, publicou a Bula de proclamação  Misericordiae Vultus. O início ficou marcado para o dia 08 de dezembro deste ano, na Solenidade da Imaculada Conceição, com a abertura da Porta Santa da Basílica de São Pedro, em Roma, e encerramento no dia 20 de novembro de 2016, na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. No entanto, o Sumo Pontífice já fez a abertura da “Porta Santa” no país República Centro-Africana no dia 29 de novembro, em viagem apostólica à África. 

Na Igreja Católica, em geral a cada 25 anos é proclamado um Jubileu para celebrar algo em especial, mas é possível que o Papa proclame um Jubileu Extraordinário, como o fez agora, que promulgou o próximo ano como santo para que seja “o tempo favorável, o dia da salvação” (2 Cor 6,2). “Há momentos em que somos chamados, de maneira ainda mais intensa, a fixar o olhar na misericórdia, para nos tornarmos nós mesmos sinal eficaz do agir do Pai. Foi por isso que proclamei um Jubileu Extraordinário da Misericórdia como tempo favorável para a Igreja, a fim de se tornar mais forte e eficaz o testemunho dos crentes”, escreveu o Santo Padre na Bula.

Ainda, durante os anos jubilares, são abertas as “Portas Santas”, que é na tradição cristã o próprio Cristo. “Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem” (Jo 10,9). Na Diocese de Mogi das Cruzes, além da Catedral Diocesana, os Santuários Cristo Amor Misericordioso no bairro Jardim Santa Teresa (Porta Santa aberta no dia 08 de dezembro), e Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito (ainda não ocorreu a abertura da Porta Santa), na região central de Mogi das Cruzes, foram declaradas Igrejas jubilares e assim, terão a Porta Santa e serão locais de peregrinação.

A peregrinação também é um pedido dos Anos Santos, por isso, os fiéis católicos para viverem a experiência mística deste período devem se deslocar até uma Igreja Jubilar, é um ícone do caminho que cada pessoa realiza na sua existência. “A vida é uma peregrinação e o ser humano é viator, um peregrino que percorre uma estrada até à meta anelada. Também para chegar à Porta Santa, tanto em Roma como em cada um dos outros lugares, cada pessoa deverá fazer, segundo as próprias forças, uma peregrinação. Esta será sinal de que a própria misericórdia é uma meta a alcançar que exige empenho e sacrifício. Por isso, a peregrinação há de servir de estímulo à conversão: ao atravessar a Porta Santa, deixar-nos-emos abraçar pela misericórdia de Deus e comprometer-nos-emos a ser misericordiosos com os outros como o Pai o é conosco”, reforçou Papa Francisco.

Durante o Jubileu, os fiéis podem receber as indulgências, assim neste período de um ano, ao passar pela Porta Santa nas igrejas jubilares, as pessoas deverão realizar as condições habituais para a concessão de indulgências: a profissão de fé e a oração pelo Papa e pelas suas intenções,ainda a confissão sacramental e a comunhão eucarística. De acordo com o Catecismo da Igreja Católica (CIC): “A indulgência é a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em certas e determinadas condições pela ação da Igreja que, enquanto dispensadora da redenção, distribui e aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos. Em geral, a obtenção das Indulgências exige determinadas condições e o cumprimento de certas obras”.

O Santo Padre estendeu às indulgências a dois casos, que de uma forma ou de outra, estão impossibilitados de peregrinar até uma Porta Santa: aos doentes e idosos, e aos presos. O Papa Francisco concedeu as indulgências jubilares desde que vivam este momento de sofrimento “com fé e esperança jubilosa, recebendo a comunhão ou participando na santa Missa e na oração comunitária, inclusive através dos meios de comunicação”, e aos presos, também, todas as vezes que passarem pela porta da cela, dirigindo o pensamento e a oração ao Pai, este gesto deve significar para eles a passagem pela Porta Santa, e estar arrependidos dos crimes cometidos.


Diocese de Mogi das Cruzes passa a ter mais um Santuário Diocesano

A Igreja Cristo Amor Misericordioso será o 3º Santuário Diocesano

No dia 8 de dezembro, a Comunidade Cristo Amor Misericordioso, no bairro Jardim Santa Teresa, em Mogi das Cruzes, será elevada a Santuário Diocesano, em missa presidida por Dom Pedro Luiz Stringhini, às 19:30. Será o 3º Santuário da Diocese de Mogi das Cruzes – há o Santuário Senhor Bom Jesus (Igreja São Benedito) e o Santuário Sagrado Coração de Jesus, os dois na cidade de Mogi das Cruzes.

O local foi escolhido para se tornar Santuário Diocesano por conta do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Ano Santo da Misericórdia, proclamado pelo Papa Francisco e que a Igreja Católica em todo o mundo irá celebrar a partir do dia 8 de dezembro de 2015.

A Igreja Cristo Amor Misericordioso foi consagrada pelo então bispo diocesano, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, no dia 21 de novembro de 1999, e pertence à Paróquia Imaculado Coração de Maria, do bairro Jardim Universo, em Mogi das Cruzes, administrada pela Congregação Filhos do Amor Misericordioso (FAM). A comunidade nasceu há mais de 30 anos com a colaboração dos moradores e sob a supervisão do então pároco, o sacerdote italiano Orfeo Miatto (FAM) e dos padres Pe. Javier Martinez (FAM) e Cláudio Corpetti (FAM), além das religiosas da Congregação Servas do Amor Misericordioso (SAM).

De acordo com o Direito Canônico, Santuário designa-se uma igreja ou lugar sagrado, onde fiéis em grande número fazem peregrinações por algum motivo especial de piedade ou devoção, neste caso, a devoção a Cristo Amor Misericordioso, e são lugares excepcionais para viver em Igreja as formas de oração cristã. As peregrinações evocam a nossa marcha na terra para o céu, são momentos fortes de oração.

Ainda no dia 8 de dezembro, o bispo diocesano também irá fazer a abertura da Porta Santa do novo Santuário, seguindo a orientação do Papa Francisco na Bula de Proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia. Na Igreja Católica, a Porta Santa é celebrada durante os jubileus, em geral, a cada 25 anos, mas é possível que o Papa proclame um Jubileu Extraordinário, como o fez agora, que promulgou o próximo ano como santo para que seja “o tempo favorável, o dia da salvação” (2 Cor 6,2). A Porta Santa é na tradição cristã o próprio Cristo. “Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem” (Jo 10,9).

Durante os Anos Santos, os fiéis podem receber as indulgências, assim no Jubileu da Misericórdia ao passar pela Porta Santa nas Igrejas Jubilares – designadas pelo bispo diocesano –, os fiéis deverão realizar as condições habituais para a concessão de indulgências: a profissão de fé e a oração pelo Papa e pelas suas intenções, ainda a confissão sacramental e a comunhão eucarística. De acordo com o Catecismo da Igreja Católica (CIC): “A indulgência é a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em certas e determinadas condições pela ação da Igreja que, enquanto dispensadora da redenção, distribui e aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos. Em geral, a obtenção das Indulgências exige determinadas condições e o cumprimento de certas obras”.

Jubileu Extraordinário da Misericórdia

Na Diocese de Mogi das Cruzes, a grande celebração da Abertura do Jubileu Extraordinário da Misericórdia será no domingo, dia 13 de dezembro, com a abertura solene da Porta Santa da Catedral Sant’Ana. O rito começa com concentração dos fiéis no Largo do Rosário (Praça da Marisa), a partir das 14:30. Às 15:00, saem procissão em direção a Catedral Diocesana, para a abertura da Porta Santa e Santa Missa em seguida, presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini.


Diocese de Mogi das Cruzes em missão durante a  

Evangelizai – 3ª Festa Diocesana

“Ser no mundo sinal do Reino, é essa a missão da Igreja”, afirmou o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, durante a Santa Missa no domingo, dia 22, durante a 3ª Festa Diocesana, a EVANGELIZAI, que aconteceu em Mogi das Cruzes, no Centro Municipal Integrado Deputado Maurício Najar e reuniu as paróquias e comunidades das dez cidades do Alto Tietê da Diocese de Mogi das Cruzes.

No último dia da Festa Diocesana, que em 2015, teve o tema “Cristo Rei, rosto da misericórdia”, as celebrações começaram às 9:30, com a entronização da imagem de Nossa Senhora Aparecida, trazida em procissão pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, e autoridades públicas locais. A cantora mirim, Gabriele Trovo, da cidade de Franca, no interior paulista, animou este momento com canções marianas.

Às 10:00, a Santa Missa presidida por Dom Pedro Luiz Stringhini e concelebrada pelo bispo emérito, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, pelo vigário geral, Pe. Antônio Robson Gonçalves, MSJ, e demais sacerdotes que compõem o clero da Diocese. Durante a homilia, o bispo diocesano destacou a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, celebrada ontem, no último domingo do calendário litúrgico: “Cristo é Rei, porque Deus é Rei e se vestiu de majestade, revestiu-se de poder e esplendor. A criação inteira proclame e todo ser humano reconheça, no louvor e ação de graças, a grandeza de Deus”. Reafirmou ainda que Jesus deve ser o espelho de todo cristão, que a vitória não é deste mundo e a importância da fé para ser firme durante as dificuldades: “A soberania de Jesus coincide com o seu amor até o sacrifício supremo da entrega da própria vida, de modo que, na cruz, se cumpre o que antes anunciara: no mundo tereis tribulações, mas tende coragem: eu venci o mundo! Condenado e morto, a vitória é de Deus e não do mal que condenou seu Filho à morte.”.

Ao final da celebração eucarística, o Pe. Alessandro Campos, apresentador do programa “Aparecida Sertaneja”, da TV Aparecida, que concelebrou durante a Santa Missa, fez uma apresentação musical e cantou grandes sucessos, como a canção“O que é que eu sou sem Jesus?”. Após a participação especial do Pe. Alessandro Campos, a programação teve uma pausa para o almoço, o público pode aproveitar os lanches, doces e bebidas vendidos nas barracas montadas pelas paróquias e entidades da Diocese, que funcionaram durante todo o evento.  

Às 14:00, os fiéis adoraram Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento e receberam a benção pelas mãos do bispo diocesano.

Para encerrar, houve a apresentação das bandas católicas, Safra e Cobar.

Ainda, Dom Pedro Luiz Stringhini falou da gratidão aos fiéis da Diocese que corresponderam com o objetivo de estar unidos em oração e comunhão, ao confraternizarem durante a EVANGELIZAI, e serem sinal de Jesus no mundo, discípulos de Cristo que saem para a missão.

No domingo, passaram pelo local cerca de quatro mil pessoas.


EVANGELIZAI – FESTA DIOCESANA

Diocese de Mogi das Cruzes se prepara para mais um grande evento 

A Diocese de Mogi das Cruzes se prepara para mais um grande evento, a realização da 3ª edição da EVANGELIZAI – FESTA DIOCESANA, com o tema “Cristo Rei, rosto da misericórdia”. Diferente dos anos anteriores em que a festa acontecia em uma única data, em 2015, serão três dias de celebrações entre 20 a 22 de novembro, no Centro Municipal Integrado Deputado Maurício Najar (Antigo CIP), em Mogi das Cruzes.

Três dias de muita oração, música e confraternização, com celebrações eucarísticas, adoração ao Santíssimo Sacramento e apresentações de bandas católicas da região. O objetivo da Evangelizai – Festa Diocesana é reunir as paróquias da Diocese de Mogi das Cruzes, aproximar as comunidades e os fiéis, e integrar o serviço pela evangelização. Em 2014, na segunda edição do evento, a festa reuniu cerca de dez mil pessoas.

Neste ano, o tema faz referência ao Ano Jubilar da Misericórdia, proclamado pelo Papa Francisco, e que a Igreja Católica em todo o mundo irá celebrar a partir do dia 08 de dezembro de 2015. “Cristo Rei, Rosto da Misericórdia! Esse tema ilumina a terceira edição da festa diocesana, a EVANGELIZAI 2015. Celebrada na festa de Cristo Rei, tornou-se momento forte de unidade e comunhão na Igreja do Alto Tietê (Diocese de Mogi das Cruzes). Essa grande celebração servirá como preparação próxima para o Ano da Misericórdia, cuja abertura será no dia 8 de dezembro, pelo Papa Francisco. A misericórdia é o coração da mensagem do Evangelho; é a atitude mais profunda do amor de Cristo que se reflete no testemunho de cada cristão: ‘sede misericordiosos como vosso Pai é misericordioso’ (Lc 6,36)”, destaca o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini.

A abertura da Evangelizai – Festa Diocesana será na sexta-feira, dia 20 de novembro, com a Santa Missa em Louvor a Nossa Senhora Rosa Mística, presidida pelo Pe. Dorival Aparecido de Moraes, do Santuário Diocesano Sagrado Coração de Jesus, em Mogi das Cruzes. Após a celebração eucarística, apresentação musical de Guilherme Della Plata.

No segundo dia, no sábado, dia 21, será uma Tarde de Louvor com a Renovação Carismática Católica (RCC), com início às 16:00 com a Santa Missa presidida pelo Pe. Wally Soares da Silva, da Paróquia São Judas Tadeu, em Suzano. Em seguida, a apresentação musical será comandada pelo Pe. Thiago Cosmo da Silva com a banda “Som e Vida” e ainda, a banda da Equipe de Nossa Senhora (ENS) e o Ministério Oasys.

No dia 22, último domingo do Tempo Comum do calendário litúrgico, em que é celebrada a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, às 10:00, Santa Missa, presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini. Antes da celebração eucarística, às 9:30, momento mariano com a entronização da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida. Após a Santa Missa, apresentação musical da cantora mirim, Gabriele Trovo e do Pe. Alessandro Campos.

No período da tarde, às 14:00, Benção com Santíssimo pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini e animação do Pe. Alessandro Campos. Em seguida, apresentação da banda Safras.

E para o conforto do público presente, a comissão administrativa do evento irá disponibilizar barracas para a venda de lanches e bebidas para que não seja necessário o deslocamento do local.


Semana Nacional da Família (SNF)

Na Catedral Diocesana

A partir do 2º domingo do mês de agosto (Dia dos Pais), neste ano, entre os dias 09 a 15 de agosto, acontece a Semana Nacional da Família (SNF), celebrada em todas as paróquias e comunidades do Brasil, que em 2015 reflete o tema é “O amor é a nossa missão: a família plenamente viva”.

É uma iniciativa da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF). “A família é um tesouro da humanidade que todos devemos cuidar”, destaca o Pe. Claudio Antonio Delfino, assessor da Pastoral Familiar do Regional Sul 1 da CNBB, reitor do Santuário Diocesano Senhor Bom Jesus – Igreja São Benedito e diretor da Faculdade Paulo VI.

Na Igreja Matriz Sant’Ana – Catedral Diocesana, a SNF será realizada entre os dias 10 a 17 de agosto. A abertura é na segunda-feira, dia 10, às 19:30, com a Santa Missa presidida pelo bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini. A celebração também é de Ação de Graças pelos 35 anos de sacerdócio do bispo diocesano, comemorado no dia 09 de agosto (Dom Pedro Luiz Stringhini foi ordenado sacerdote pela imposição das mãos de Dom Paulo Evaristo Arns em 09 de agosto de 1980).

Já na quarta-feira, dia 12, às 19:30, será feito um ato de comemoração da Semana de Valorização da Família, na Câmara Municipal de Mogi das Cruzes, que foi instalada neste ano após decreto de iniciativa da vereadora Odete Rodrigues Alves Sousa.

O encerramento da SNF na Catedral Sant’Ana é na segunda-feira, dia 17, durante a missa, às 19:30, presidida pelo bispo diocesano. Nesta data, também, celebramos o aniversário natalício de Dom Pedro Luiz Stringhini que completa 62 anos.


4º Fórum Diocesano das Pastorais Sociais

será neste sábado, dia 15

Neste sábado, dia 15, a Comissão Diocesana para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz realiza o 4º Fórum Diocesano das Pastorais Sociais, das 8:00 às 13:00, no salão paroquial da Paróquia São Sebastião, localizada à Praça João Pessoa, 158, na região central da cidade de Suzano/SP.

O Fórum das Pastorais Sociais tem como objetivo ser um espaço para a discussão dos trabalhos das pastorais sociais, com trocas de experiências e avaliações para o fortalecimento, motivação e a participação de eventos comuns que se integram nos princípios e ações pastorais. E neste quarto encontro, será realizado o lançamento e a entrega da cartilha das Pastorais Sociais, com as orientações gerais.

Na Diocese de Mogi das Cruzes, o grupo das pastorais sociais é composto pelas pastorais Afro-Brasileira; Carcerária; da Criança; da Ecologia e Meio Ambiente; Fé e Compromisso Social; do Menor; da Mulher Marginalizada; Operária e Mundo do Trabalho; da Pessoa Idosa; do Povo de Rua; da Saúde; da Sobriedade; e da Moradia; e os organismos Cáritas Diocesana.


Mogi das Cruzes

Sábado dia 1 de agosto a Diocese de Mogi das Cruzes

celebrou a ordenação de seis novos sacerdotes

Na manhã de sábado, 1 de agosto, a Diocese de Mogi das Cruzes ganhou seis novos sacerdotes ao celebrar a ordenação presbiteral de Aleksandro Basseto Moreira, Carlos Duarte Guimarães, Luiz Ricardo Cândido da Silva, Müller Aparecido do Prado, Rogério Aparecido Leite e Rogério Oliveira pela imposição das mãos e prece consecratória do bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini. Cerca de 1500 pessoas lotaram a Catedral Diocesana Sant’Ana, em Mogi das Cruzes/SP.

Durante a homilia, o bispo diocesano destacou com alegria este momento de intenso júbilo e gratidão a Deus e a importância do sacerdócio. “O sacerdócio é a alma da Igreja, Jesus enriqueceu a Igreja com sacerdócio, Ele escolhe homens que, pela imposição das mãos, participam do Seu sacerdócio”, enfatizou.

Ainda, relembrou a missão dos presbíteros na mesma missão de Cristo e da Igreja, da caridade pastoral, o cuidado com os mais necessitados de bens materiais ou espirituais. “No serviço aos pobres e sofredores, a caridade se concretiza em solidariedade, o amor se eleva em oblação, a vida se torna Eucaristia, a eternidade encontra o tempo, transformando em presente o futuro Reino de Deus”, finalizou.

Com mais esta ordenação presbiteral, a Diocese de Mogi das Cruzes soma 22 novos sacerdotes desde a chegada de Dom Pedro Luiz Stringhini em novembro de 2012.

Os neopresbíteros irão continuar o trabalho nas paróquias em que já atuavam. O Pe. Aleksandro Basseto Moreira como vigário paroquial da Paróquia Santos Apóstolos (Itaquaquecetuba); Pe. Carlos Duarte Guimarães é novo diretor administrativo financeiro do Colégio Diocesano Paulo VI (Suzano) e uso de ordem da Área Pastoral São Paulo Apóstolo (Ferraz de Vasconcelos); Pe. Luiz Ricardo Cândido da Silva assume a vice-reitoria do Seminário Menor São João XXIII e como vigário paroquial da Paróquia Sagrada Família (Mogi das Cruzes); Pe. Müller Aparecido do Prado, vigário paroquial da Paróquia São José (Salesópolis); Pe. Rogério Aparecido Leite, vigário paroquial da Paróquia Cristo Redentor (Itaquaquecetuba); e Pe. Rogério de Oliveira, vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora das Graças (Itaquaquecetuba).


Ordenação Presbiteral na Diocese de Mogi das Cruzes

Diocese celebra a ordenação de seis novos padres

No próximo sábado, dia 1 de agosto, às 9:00, a Diocese de Mogi das Cruzes celebra a ordenação presbiteral dos diáconos Aleksandro Basseto Moreira, Carlos Duarte Guimarães, Luiz Ricardo Cândido da Silva, Müller Aparecido do Prado, Rogério Aparecido Leite e Rogério Oliveira pela imposição das mãos e prece consecratória do bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, na Catedral Sant’Ana, localizada à Praça Coronel Benedito de Almeida, na região central de Mogi das Cruzes/SP.

A ordenação diaconal aconteceu no dia 31 de janeiro de 2015, na Igreja Matriz da Paróquia Santos Apóstolos, na cidade de Itaquaquecetuba.

Com mais esta ordenação presbiteral, a Diocese de Mogi das Cruzes soma 22 novos sacerdotes desde a chegada de Dom Pedro Luiz Stringhini em novembro de 2012.

Müller Aparecido do Prado (foto) irá celebrar na Igreja Matriz de São José na Estância Turística de Salesópolis, às 19:30, domingo dia 2 de agosto.


Bispo diocesano faz apresentação sobre a carta do

Papa Francisco, “Laudato si”

Encíclica que trata sobre o meio ambiente foi divulgada no dia 18 de junho

No sábado, dia 11, às 9h, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, faz a apresentação oficial para a Diocese de Mogi das Cruzes da Encíclica “Laudato Si, sobre o cuidado da casa comum”, do Papa Francisco. A palestra será na Câmara Municipal de Mogi das Cruzes, localizada à Avenida Vereador Narciso Yague Guimarães, 381 – Centro Cívico – Mogi das Cruzes/SP.

Encíclica é uma carta, uma circular que o Papa envia a todos os bispos do mundo católico, sobre um determinado assunto que deseja a atenção e é uma orientação. “Laudato si” (Louvado Seja) é última carta do Papa Francisco e foi divulgada, oficialmente, no dia 18 de junho, e mostra a preocupação do Sumo Pontífice com o meio ambiente, que é um dom de Deus, é a casa do ser humano, e deve ser cuidada com zelo. O nome foi inspirado no “Cântico das Criaturas”, de São Francisco de Assis, santo conhecido mundialmente pelo amor aos animais e a natureza.

“Laudato si” faz um diagnóstico minucioso dos males do planeta: poluição, mudanças climáticas, desaparecimento da biodiversidade, débito ecológico entre o Norte e o Sul do mundo, antropocentrismo, predomínio da tecnocracia e da finança que leva a salvar os bancos em detrimento da população, propriedade privada não subordinada ao destino universal dos bens. “Sobre tudo isto parece prevalecer uma cultura do descartável, usa e deixa fora, algo que leva a explorar as crianças, a abandonar os idosos, a reduzir os outros à escravidão, a praticar o comércio dos diamantes de sangue. É a mesma lógica de muitas máfias”, escreve o Sumo Pontífice. Também, o Santo Padre pede o investimento na formação para uma ecologia integral, e que o cuidado começa em nós, está em pequenos gestos, como por exemplo, não desperdiçar água e alimento, e agasalhar-se mais antes de ligar o aquecedor, entre outros.

A apresentação da Encíclica faz parte do cronograma da Pastoral da Ecologia e Meio Ambiente da Diocese de Mogi Das Cruzes.


Encíclica “Laudato si”

Laudato si (louvado sejas) é o título da encíclica do Papa Francisco, cujo subtítulo “sobre o cuidado da casa comum” indica que o assunto é ecologia e preservação do Planeta Terra. Laudato Si’ é título também para a longa introdução que precede os cinco capítulos.

O Papa expõe sobre o que está acontecendo com a Terra, maltratada e depauperada. Reflete com base no evangelho, afirma que a raiz da crise é antropológica, aponta a urgência de uma ecologia integral, delineia orientações de como agir e vislumbra como saída a educação e a espiritualidade.

Da citação poética do cântico de Francisco de Assis, “louvado sejas, meu Senhor pela mãe e irmã terra, que produz frutos e flores coloridas”, passa logo para a veemente denúncia “do uso irresponsável e do abuso dos bens” da Terra e dos “sintomas de doença que notamos no solo, na água, no ar e nos seres vivos”.

Dirigindo-se “a cada pessoa que habita neste planeta”, o Papa quer “entrar em diálogo com todos acerca da nossa casa comum”. Põe a pergunta sobre o tipo de mundo que queremos deixar para as gerações futuras. Reporta-se aos seus predecessores, os quais já falam “da necessidade urgente de uma mudança radical no comportamento da humanidade” (Paulo VI, 1970), isto é, de mudanças profundas “nos estilos de vida, nos modelos de produção e de consumo, nas estruturas consolidadas de poder, que hoje regem as sociedades (João Paulo II, 1991)”.

É necessário ir às causas, chamando a atenção para “as raízes éticas e espirituais dos problemas ambientais”. Francisco de Assis, modelo de alegria e amor aos pobres, “um místico e um peregrino que vivia com simplicidade e harmonia com Deus, com os outros, com a natureza e consigo mesmo”, inspira a aproximar-se da natureza com admiração e encanto, com a linguagem da fraternidade, da beleza e do louvor ao criador.

O Papa deseja “unir toda a família humana na busca de um desenvolvimento sustentável e integral”. Conclama a uma “nova solidariedade universal”. Elenca os “eixos” que percorrem a encíclica: a relação íntima entre os pobres e a fragilidade do planeta, a convicção de que tudo está interligado no mundo, a crítica ao princípio tecnocrata de poder, a necessidade de nova compreensão da economia e do progresso, o sentido humano da ecologia, a responsabilidade política e a proposta de um novo estilo de vida.

Vale à pena aprofundar o sentido e o alcance dessa mensagem, em vista de um futuro pautado pela harmonia entre natureza humana e ambiental. Harmonia também entre estratégias organizacionais e princípios morais que devem reger a convivência entre os seres humanos. Assim começa a encíclica; pode começar também um novo compromisso envolvendo as pessoas de boa vontade.

Dom Pedro Luiz Stringhini


Igreja e Sociedade

Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo diocesano, Mogi das Cruzes

A Igreja Católica realiza, nessa quaresma, a 52ª edição da Campanha da Fraternidade, com o tema Fraternidade: Igreja e Sociedade e o lema ‘Eu vim para servir’ (Mc 10,45). O cartaz mostra o significativo gesto do Papa Francisco beijando os pés de uma pessoa, no rito do lava-pés.

Nesses anos, a campanha seguiu três categorias de temas: os ligados à renovação interna da Igreja, os relacionados a questões sociais (família, saúde, educação, trabalho, ecologia) e os referentes a situações existenciais de grupos específicos e excluídos da sociedade (menor, negro, mulher, juventude, indígenas).

Durante a campanha, em todo o País, as comunidades e organismos da Igreja refletem, de forma capilar e popular, o tema proposto. O deste ano oferece como que uma síntese dos anteriores, uma vez que trata da ação social da Igreja, com base em sua Doutrina Social. O ponto de convergência entre Igreja e Sociedade é a busca do bem comum e o esforço de se construir uma sociedade baseada em princípios fundamentais como justiça, direito, paz, liberdade.

O Estado é laico e a Igreja não reivindica para si privilégios, mas as pessoas que compõem a nação têm suas crenças. A Igreja Católica, as outras igrejas cristãs e as religiões não cristãs participam e contribuem na vida da nação, somando forças com outros atores sociais, como os movimentos populares, sindicatos, associações de bairro, partidos políticos, etc. 

‘Eu vim para servir’ são palavras de Jesus que embasam o serviço de caridade do cristão e da Igreja, em três dimensões: assistencial, promocional e transformadora. A assistência aos pobres é o socorro imediato a quem está privado do básico, como a alimentação. A promoção humana contempla o aspecto educacional, permitindo aos pobres sentirem-se cidadãos providos de dignidade, direitos e deveres. A transformação social é meta que vislumbra mudanças das estruturas arcaicas e deformadas que servem aos interesses de uma minoria historicamente privilegiada e concentradora da riqueza da nação.

Uma sociedade justa, democrática e sustentável será fruto de uma ação política, no sentido amplo, em que o povo esteja presente por meio de instrumentos legítimos e eficazes, de forma participativa e não só representativa. As pastorais sociais da Igreja têm priorizado esse processo educativo de conscientização.

Assim, o texto base da campanha da fraternidade conclama a um movimento para superação da violência e construção da paz. Incentiva os conselhos paritários de participação social e a participação na reforma política. Alerta para a gravidade da degradação ambiental e a necessidade de políticas públicas de defesa da natureza, especialmente na preservação da água.


Quarta-feira de Cinzas marca a abertura da Campanha da

Fraternidade 2015 na Diocese de Mogi das Cruzes

O bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, preside a missa de quarta-feira de Cinzas e abertura oficial da Campanha da Fraternidade 2015 (CF 2015) na Diocese de Mogi das Cruzes, início do tempo quaresmal. A celebração será na Catedral Sant’Ana, localizada na Praça Coronel Benedito de Almeida, s/nº, em Mogi das Cruzes.

Neste ano, o tema abordado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) é “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e o lema “Eu vim para servir” (Mc 10, 45) com o objetivo de recordar a vocação e a missão de todo o cristão e das comunidades de fé, a partir do diálogo e colaboração entre Igreja e Sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, sob a luz do Evangelho para a edificação do Reino de Deus. “A Campanha da Fraternidade deste ano retoma algo que a Igreja faz sempre, estar a serviço, pois a Igreja quer estar a serviço da sociedade e anunciar uma verdade da fé, o amor de Deus, o Reino de Deus, a salvação de Deus na presença de Jesus Cristo, e o amor de Jesus Cristo e o amor de Deus incidem no amor ao próximo, que além da caridade que praticamos no dia a dia é também a caridade organizada, e a Igreja como um todo realiza ações pontuais, como preparar as pessoas, promover e educar para a transformação da sociedade e a dignidade da pessoa humana”, reforça Dom Pedro Luiz Stringhini.

Neste período da Quaresma, a Igreja Católica orienta aos fiéis que pratiquem o jejum, a esmola e a oração, pois é um tempo forte de conversão.


Celebração de 25 anos de ordenação episcopal do bispo emérito

de Mogi das Cruzes lotou a Catedral Sant’Ana

O Jubileu de Prata de Episcopado de Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, bispo emérito da Diocese de Mogi das Cruzes, reuniu mais de 900 pessoas e lotou a Catedral Sant’Ana na noite de quarta-feira, 28.

Foi o próprio bispo emérito quem presidiu a celebração eucarística que teve como concelebrantes o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini; Dom Nelson Westrupp, SCJ, da Diocese de Santo André; Dom Fernando Legal, SDB, bispo emérito de São Miguel Paulista; e dezenas de sacerdotes diocesanos e convidados.

Foram 14 anos a frente da Diocese de Mogi das Cruzes e durante a Santa Missa falou das dificuldades de ser pastor e modelo do rebanho, mas destacou a alegria de estar junto ao povo para caminhar rumo ao Pai, da bondade e do amor de Deus. “A história de um bispo, de uma Igreja, começa no coração de Deus, que tem um imenso e profundo amor e se nesta celebração, celebramos uma vida humana, temos que dar graças e louvar com reconhecimento esse grande amor de Deus, Deus é bom”, enfatizou. Lembrou que uma das grandes satisfações do trabalho episcopal é ordenar os sacerdotes e ainda agradeceu quem esteve presente durante a missa para juntos dar graças a Deus.

A celebração, também, reuniu familiares de Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, seminaristas, religiosos e religiosas, e as autoridades civis da Região do Alto Tietê.

Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem

Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, é mineiro da cidade de São Geraldo e completou 86 anos em 2014 (12/06/1928). É religioso da Ordem Premonstratense (Opraem), professou os votos em 02 de fevereiro de 1952 e foi ordenado sacerdote no mesmo ano, em 20 de agosto, em Pirapora do Bom Jesus/SP, pelo então bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, Dom Paulo Rolim Loureiro (depois nomeado como primeiro bispo da Diocese de Mogi das Cruzes).

Em 07 de dezembro de 1989, foi nomeado bispo para a Diocese de Mogi das Cruzes. A ordenação episcopal aconteceu no dia 28 de janeiro de 1990, em Jaú/SP, tendo como Sagrante Dom Carlo Furno, arcebispo titular de Abari e núncio apostólico no Brasil na época. Escolheu como lema episcopal “Ficai conosco Senhor” (Lc 24,29).

A posse canônica como terceiro bispo da Diocese de Mogi das Cruzes foi realizada no dia 11 de fevereiro de 1990, no Ginásio de Esportes da Universidade Braz Cubas. Como bispo diocesano, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, foi o responsável, entre as inúmeras atividades, pela organização do primeiro Plano Trienal de Pastoral que tinha como objetivo fortalecer a pastoral de conjunto; a reorganização da divisão das regiões pastorais; a mudança de local do Seminário Diocesano Sagrado Coração de Jesus (que ficava na Rua Ipiranga, onde, atualmente, está a Cúria Diocesana e a Residência Episcopal) para o Centro de Convivência Tabor, e assim, atender a demanda de seminaristas que crescia; e a criação da tradicional Festa do Seminário.

Também, durante o seu episcopado foi lançado o informativo diocesano “A Caminho” e a primeira versão da página na internet da Diocese. E em 1994, a Diocese sediou o Encontro da Juventude da Conferência Episcopal Latino Americana (CELAM) e o Encontro Nacional dos Presbíteros e Diáconos Negros. Em 1999, no dia 26 de dezembro, deu início às comemorações do Ano Jubilar pelo Segundo Milênio da Encarnação de Jesus Cristo, proclamado pelo então Papa João Paulo II (São João Paulo II), e em 27 de julho de 2000, decretou a abertura do 1º Sínodo Diocesano, com o tema “O Espírito fala às Igrejas”, na carta aos fiéis, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, destacou os momentos pelos quais a Igreja e o país passavam, como a chegada do Novo Milênio, os 500 anos de evangelização no Brasil e o desafio de ser Igreja. Criou quatro novas paróquias: Paróquia Pessoal São Maximiliano Kolbe (Mogi das Cruzes), Paróquia Nossa Senhora das Graças (Itaquaquecetuba), Paróquia Territorial São Maximiliano Kolbe (Mogi das Cruzes) e a Paróquia São Francisco de Assis (Suzano). Trabalhou para que a Diocese tivesse um colégio católico, que aconteceu em 26 de setembro de 2003, com a fundação do Colégio Diocesano Paulo VI.

Em junho de 2003, ao completar 75 anos, e conforme determina o Código de Direito Canônico pediu renúncia para atuar apenas como bispo emérito. E até a nomeação de um novo bispo diocesano, que aconteceu em 04 de agosto de 2004, desempenhou a função de administrador diocesano.


25 anos de Episcopado

Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, bispo emérito da

Diocese de Mogi das Cruzes

No dia 28 de janeiro, o bispo emérito da Diocese de Mogi das Cruzes, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, completa 25 anos de ordenação episcopal. Para comemorar a data, a Diocese prepara uma solene celebração eucaristíca em Ação de Graças, às 19:00, na Catedral Sant’Ana, localizada à Praça Coronel Benedito de Almeida, s/nº, região central de Mogi das Cruzes.

Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, é mineiro da cidade de São Geraldo e completou 86 anos em 2014 (12/06/1928). É religioso da Ordem Premonstratense (Opraem), professou os votos em 2 de fevereiro de 1952 e foi ordenado sacerdote no mesmo ano, em 20 de agosto, em Pirapora do Bom Jesus/SP, pelo então bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, Dom Paulo Rolim Loureiro (depois nomeado como primeiro bispo da Diocese de Mogi das Cruzes).

Em 7 de dezembro de 1989, foi nomeado bispo para a Diocese de Mogi das Cruzes. A ordenação episcopal aconteceu no dia 28 de janeiro de 1990, em Jaú/SP, tendo como Sagrante Dom Carlo Furno, arcebispo titular de Abari e núncio apostólico no Brasil na época. Escolheu como lema episcopal “Ficai conosco Senhor” (Lc 24,29).

A posse canônica como terceiro bispo da Diocese de Mogi das Cruzes foi realizada no dia 11 de fevereiro de 1990, no Ginásio de Esportes da Universidade Braz Cubas. Como bispo diocesano, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, foi o responsável, entre as inúmeras atividades, pela organização do primeiro Plano Trienal de Pastoral que tinha como objetivo fortalecer a pastoral de conjunto; a reorganização da divisão das regiões pastorais; a mudança de local do Seminário Diocesano Sagrado Coração de Jesus (que ficava na Rua Ipiranga, onde, atualmente, está a Cúria Diocesana e a Residência Episcopal) para o Centro de Convivência Tabor, e assim, atender a demanda de seminaristas que crescia; e a criação da tradicional Festa do Seminário.

Também, durante o seu episcopado foi lançado o informativo diocesano “A Caminho” e a primeira versão da página na internet da Diocese. E em 1994, a Diocese sediou o Encontro da Juventude da Conferência Episcopal Latino Americana (CELAM) e o Encontro Nacional dos Presbíteros e Diáconos Negros. Em 1999, no dia 26 de dezembro, deu início às comemorações do Ano Jubilar pelo Segundo Milênio da Encarnação de Jesus Cristo, proclamado pelo então Papa João Paulo II (São João Paulo II), e em 27 de julho de 2000, decretou a abertura do 1º Sínodo Diocesano, com o tema “O Espírito fala às Igrejas”, na carta aos fiéis, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, destacou os momentos pelos quais a Igreja e o país passavam, como a chegada do Novo Milênio, os 500 anos de evangelização no Brasil e o desafio de ser Igreja. Criou quatro novas paróquias: Paróquia Pessoal São Maximiliano Kolbe (Mogi das Cruzes), Paróquia Nossa Senhora das Graças (Itaquaquecetuba), Paróquia Territorial São Maximiliano Kolbe (Mogi das Cruzes) e a Paróquia São Francisco de Assis (Suzano). Trabalhou para que a Diocese tivesse um colégio católico, que aconteceu em 26 de setembro de 2003, com a fundação do Colégio Diocesano Paulo VI.

Em junho de 2003, ao completar 75 anos, e conforme determina o Código de Direito Canônico pediu renúncia para atuar apenas como bispo emérito. E até a nomeação de um novo bispo diocesano, que aconteceu em 04 de agosto de 2004, desempenhou a função de administrador diocesano.


ZILDA ARNS

Artigo de Dom Pedro Luiz Stringhini 

 

Uma grande celebração, dia 10 de janeiro de 2015, em Curitiba, marcou o quinto aniversário de falecimento da médica sanitarista e fundadora, há mais de trinta anos, da Pastoral da Criança, Dra. Zilda Arns Neumann, vítima, no Haiti, do terremoto que atingiu aquele país, matando cerca de cem mil pessoas. Ela lá estava para fundar a Pastoral da Criança, que vem ajudando, no Brasil e em outros vinte países, a reduzir a mortalidade infantil.

A celebração de Curitiba contou com a presença de quarenta mil pessoas das diversas regiões do Brasil. Eram agentes da pastoral, líderes, educadores, autoridades da Igreja e do mundo político. A Arquidiocese de Curitiba recebeu um dossiê com milhares de assinaturas, com vistas à abertura do processo de beatificação de Dra. Zilda, considerando a grandeza de sua pessoa, o valor do seu trabalho e o bem que realizou em defesa das crianças e dos pobres.

Exemplo de mulher, esposa, mãe, cristã e profissional, Dra. Zilda fundou também, com a CNBB, a Pastoral da Pessoa Idosa. Voz suave e permanente sorriso revelavam sua inteligência, determinação, capacidade de organizar e articular. De modo respeitoso, argumentava, persuadia e convencia.

Soube transformar sonho e utopia em caridade operativa e eficaz. Unindo profissionalismo, tino empreendedor e idealismo, conseguia fazer muito com pouco recurso. Utilizando a capilaridade da Igreja, criou, através da Pastoral da Criança, uma articulada rede de serviços, angariando credibilidade para selar parcerias e obter apoio junto ao Governo.

Dra. Zilda visitava cada diocese, orientando e entusiasmando líderes e multiplicadores no acompanhamento a gestantes, no aleitamento materno, aplicação do soro caseiro, pesagem das crianças, vacinação. A Pastoral denomina tudo isso de ‘Celebração da Vida’. A mística vem do evangelho e Dra. Zilda sempre citava o texto da multiplicação dos pães, em que Jesus ordena aos discípulos: “dai-lhes vós mesmos de comer”.

Em qualquer paróquia do Brasil, se vêem pessoas com camiseta da Pastoral da Criança. De fato, a Igreja toda, a partir da CNBB, ‘vestiu a camisa’, abraçando a inspiração da Dra. Zilda.

Dom Paulo Evaristo, ao saber da morte de sua irmã, escreveu: “minha caríssima irmã Zilda sofreu com o bom povo do Haiti o efeito trágico do terremoto. Que nosso bom Deus acolha no céu aqueles que na terra lutaram pelas crianças e os desamparados. Não é hora de perder a esperança”.

O terremoto calou a voz da Dra. Zilda, mas seu martírio a eterniza. Dia a dia, a pastoral da criança repercute e torna definitivo seu eloqüente e fecundo testemunho de amor e solidariedade capaz de semear esperança e abrir, para o Brasil, o Haiti e o mundo, novos caminhos de vida, paz e justiça.

Dom Pedro Luiz Stringhini 


Mensagem da Diocese de Mogi das Cruzes

“Não haverá danos nem mortes por todo meu santo monte” (Is 11,9a)

É tempo do advento! Tempo de preparar e esperar o nascimento de nosso Senhor Jesus Cristo, trazendo PAZ aos nossos corações e ao povo de nossas cidades. Tempo de esperança, pois “nos seus dias, a justiça florirá e haverá paz em abundância para sempre” (Sl 72,7).

Enquanto a Palavra de Deus proclamada na liturgia convida a acreditar num mundo novo onde não haverá nem danos e nem mortes, assistimos, atônitos, a uma sequência de notícias de violência, desde a chacina ocorrida há menos de duas semanas, na Vila Natal, até a série de assassinatos dos últimos dias.

São fatos que expõem a dolorosa realidade em que vida é brutalmente desrespeitada. O sentimento é de profunda tristeza, indignação e frustração. Onde temos falhado? É momento de reflexão para a Igreja, as demais forças da sociedade, os governantes, os homens e mulheres de bem.

As estatísticas não bastam, não consolam o coração das famílias que tem seus membros incluídos no número oficial das vítimas da violência. Mas é confortante ver a solidariedade dos parentes, vizinhos e da comunidade toda envolvida, na amizade e na oração, com a dor dos familiares.

Deus ama e dá gratuitamente a vida a cada ser humano; não é sua vontade que a vida de um jovem, de um morador de rua, de uma trabalhadora, de um membro de nossas comunidades, seja violenta e repentinamente ceifada. A vida é o maior e mais precioso dom; tem que ser sempre valorizada e defendida.

Em oração, pedimos a Deus que, em sua infinita misericórdia, no céu, recompense as vítimas com tudo aquilo que o mundo lhes roubou na terra; console e alivie o sofrimento de suas famílias; toque o coração dos que praticam o mal; inspire os construtores da paz, oriente os que tem dever de zelar pela segurança da população 

A diocese de Mogi das Cruzes se solidariza com as famílias, amigos e comunidades que choram a perda destes irmãos e irmãs. Para a comunidade da Vila Suissa, abalada com a morte da querida irmã Maria Aparecida, a Dedé, consola-nos a certeza de que, assim como ela cantava nas missas da paróquia São Benedito, cantará eternamente a mais bela das melodias para o seu e nosso Senhor Jesus.

Dom Pedro Luiz Stringhini - Bispo Diocesano


Festa da Diocese de Mogi das Cruzes reuniu cerca de 10 mil

pessoas no último domingo, dia 23

Evento celebrou Cristo Rei e recebeu a imagem peregrina de

Nossa Senhora Aparecida

O bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, com o

Sheikh Hosni Abdelhamid Mohamed Youssef

O bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, com o

prefeito de Mogi das Cruzes, Marco Aurélio Bertaiolli

O bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, com o bispo emérito

Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem

Cerca de 10 mil pessoas passaram pelo Centro Municipal Integrado Deputado Maurício Najar durante a EVANGELIZAI – 2ª FESTA DIOCESANA, em Mogi das Cruzes. Com o tema “Com a Mãe Aparecida, celebramos Cristo Rei”, o evento realizado pela Diocese de Mogi das Cruzes no último domingo, dia 23, foi um momento de oração, celebração e confraternização dos fiéis da região do Alto Tietê.

Por volta das 9h, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, chegou ao local da festa com a imagem peregrina de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, e foi em procissão até o altar, onde fez um momento de oração com os devotos e acolhida das autoridades civis e religiosas do Alto Tietê, entre elas, o prefeito municipal de Mogi das Cruzes, Marco Aurélio Bertaiolli. A imagem peregrina está percorrendo as dioceses do Brasil como parte das celebrações dos 300 anos (1717-2017) em que a imagem foi encontrada no Rio Paraíba do Sul e fica na diocese até o dia 09 de dezembro percorrendo as regiões pastorais.

Em seguida, às 9h30, iniciou a celebração eucarística da Solenidade de Cristo Rei do Universo presidida por Dom Pedro Luiz Stringhini e concelebrada pelo bispo emérito, Dom Paulo Mascarenhas Roxo, Opraem, pelo vigário geral, Pe. Antônio Robson Gonçalves, MSJ e dezenas de presbíteros da Diocese de Mogi das Cruzes. A festa que recebeu a imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida e celebrou Cristo Rei, era também pelo Dia Nacional do Leigo e em Ação de Graças pelos dois anos da posse do bispo diocesano e o 27º aniversário da Pastoral da Criança na diocese.

Durante a homilia, Dom Pedro Luiz Stringhini destacou que a Evangelizai é um grande momento de ação de graças e unidade dos católicos da região e reconheceu a importância do trabalho do leigo na evangelização. Lembrou que Cristo é o Bom Pastor, sempre em busca da ovelha perdida, cheio de ternura e compaixão: “As leituras bíblicas desse domingo identificam a figura de Cristo Rei com a imagem de Deus como pastor do seu povo: o Senhor é meu pastor, nada me falta (Sl 22). Ser bom pastor em busca da ovelha perdida é o jeito de Deus reinar. Por isso, antes de tudo, é Deus mesmo que diz: vou procurar minhas ovelhas e tomar conta delas, vou resgatá-las de todos os lugares em que foram dispersadas, vou apascentar minhas ovelhas e fazê-las repousar, vou procurar a ovelha perdida, reconduzir a extraviada, enfaixar a da perna quebrada (Ez 34). Pastor bondoso, cheio de ternura e compaixão!”.

A programação da festa ainda contava com a apresentação musical do Pe. Alessandro Campos após a Santa Missa. O sacerdote e apresentador do programa “Aparecida Sertaneja”, da TV Aparecida fez um show pela primeira vez em Mogi das Cruzes, cidade onde viveu desde o primeiro ano de vida. Pe. Alessandro Campos subiu ao palco por volta das 13h e cantou por mais de uma hora e trinta minutos, contou ainda com a participação especial do compositor, cantor e empresário Carlos Randall. E durante a apresentação recebeu das mãos do bispo diocesano o disco de Diamante Duplo pelas mais de 600 mil cópias vendidas do CD “O que é que eu sou sem Jesus?”.

O encerramento do evento ficou por conta da apresentação do músico católico Maércio Lopes da Comunidade Canção Nova.


Um só rebanho 

‘Com a mãe Aparecida, celebramos Cristo Rei’ foi o lema do Evangelizai 2014, a festa anual da diocese de Mogi das Cruzes, realizada no domingo de Cristo Rei. A edição desse ano acolheu a imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida, vinda do Santuário nacional. A solenidade de Cristo Rei, no final de novembro, encerra o ano litúrgico dá início ao Advento, as quatro semanas de preparação para o natal cristão.

A mensagem bíblica para o domingo do Cristo Rei é a imagem de Deus como pastor do seu povo. ‘O Senhor é meu pastor, nada me falta’ (Sl 22). Ser bom pastor em busca da ovelha perdida é o jeito de Deus reinar. “Vou procurar minhas ovelhas e tomar conta delas, vou resgatá-las de todos os lugares em que foram dispersadas, vou apascentar minhas ovelhas e fazê-las repousar, vou procurar a ovelha perdida, reconduzir a extraviada, enfaixar a da perna quebrada” (Ez 34). Pastor bondoso, cheio de ternura e compaixão!

Contudo, Deus é o pastor que faz justiça, o juiz justo, que defende os pobres e sofredores: “vou vigiar a ovelha gorda e forte; vou apascentá-las conforme o direito, farei justiça entre uma ovelha e outra, entre carneiros e bodes” (Ez 34,16-17). Na parábola do julgamento final do evangelho de Mateus, Jesus Cristo, rei e pastor, diz que “o Filho do Homem separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos” (Mt 25,32). O critério são as obras de misericórdia, isto é, o que cada um tiver feito ao faminto, sedento, doente, nu, preso, estrangeiro.

A plenitude do reinado de Cristo é a ressurreição: “Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram” (1Cor 15,20). Ressuscitado, vivo e vitorioso, “é preciso que ele reine até que todos os seus inimigos estejam debaixo de seus pés; o último é a morte” (1Cor 15,26).

Cristo Rei é a meta para a qual convergem as aspirações da história humana e de cada ser humano, na harmonia entre ser humano e a criação (ecologia humana e ambiental). Esta é a visão cósmica da realeza de Cristo, visto que n’Ele o Pai quer reconciliar todo o universo, passo a passo, até “que Deus seja tudo em todos” (1 Cor 15,28). Nesse amplo contexto cósmico, histórico e universal do reinado de Cristo e da presença do Reino de Deus, insere-se a Igreja, e com ela a presença dos cristãos no mundo e cada Igreja particular, a diocese.

A festa diocesana Evangelizai é um momento de oração, unidade, fraternidade, ação de graças. A diocese de Mogi tem motivos: as atuais cinqüenta e cinco paróquias, as cinco quase-paróquias, as quatro áreas pastorais, as mais de trezentas capelas e comunidades, o empenho dos padres e diáconos, as religiosas, seminaristas, as pastorais, os movimentos eclesiais, a juventude, a pastoral familiar. E mais, todos os fiéis leigos, com seu eficaz protagonismo evangelizador e transformador, na igreja e na sociedade. Tudo isso torna vivo o sonho de Jesus de que haja um só rebanho e um só pastor.

Dom Pedro Luiz Stringhini - Bispo diocesano


MENSAGEM DO PADRE ALESSANDRO CAMPOS

 


Festa Diocesana em Mogi das Cruzes - 19-11-2014

Durante entrevista coletiva na tarde de segunda-feira, 17, participaram Dom Pedro Luiz Stringhini, Pe. Alessandro Campos, apresentador do programa "Aparecida Sertaneja", da TV Aparecida, que irá fazer a apresentação musical no dia do evento e os padres André Luiz de Sousa e Reginaldo Martins da Silva, responsáveis pela organização e infraestrutura.

Dom Pedro falou sobre a importância da Festa Diocesana que é um momento único onde podemos estar juntos com todas as comunidades paroquiais pertencentes à Diocese de Mogi das Cruzes.

São esperadas mais de 10 mil participantes neste domingo na festa que terá início às 9:00 com a chegada da Imagem Peregrina de Nossa Senhora Aparecida, em seguida será celebrada missa presidida por Dom Pedro e às 12:00, show com o Padre Alessandro Campos.

Está sendo montada uma infraestrutura com mais e 350 voluntários que estarão orientando os participantes desde sua chegada ao recinto da festa na Avenida Cívica, Bairro do Mogilar em Mogi das Cruzes.

Dom Pedro disse que domingo, quando também se comemora a Festa de Cristo Rei, “será um momento de celebração, de oração, comunhão e unidade, demonstrar que somos uma só igreja, a Diocese de Mogi das Cruzes que compreende os dez municípios do Alto Tietê”.

“Domingo será o dia em que as Paróquias irão cancelar as missas para que as pessoas se organizem e venham até Mogi das Cruzes participarem da Festa Diocesana que é única em nossa Região” disse Dom Pedro.

Para que todos os visitantes possam passar o dia tranquilamente no recinto da Festa serão montadas várias Barracas que estarão vendendo alimentos.

Dom Pedro espera que este ano os custos com a Festa Diocesana chegue a R$ 80 mil, e que os recursos para a realização do evento será custeado pela própria Diocese.

Padre Alessandro disse que a tendência da festa é crescer a cada ano com grandes eventos e que futuramente a Diocese não irá mais arcar com os custos do evento e ressaltou ainda que é um dos poucos momentos em que temos para celebrar juntos com toda a comunidade.

PADRE ALESSANDRO CAMPOS

Padre Alessandro Campos, natural de Guaratinguetá, cresceu em Mogi das Cruzes e disse que desde os sete anos tinha o desejo de ser padre e que sempre brincava em sua casa de missa com suco de uva e bolacha Maria.

Tenente do Exército e pertencendo a Diocese Militar do Brasil, Padre Alessandro, se ordenou com 23 anos de idade e ficará por cinco anos na Diocese de Mogi das Cruzes e atualmente celebra missa todas as quartas-feiras na cidade e nas noites de terça-feira, apresenta o programa Aparecida Sertaneja.

Padre Alessandro se mostrando uma pessoa carismática disse que é inadmissível que o padre não seja feliz e alegre.

A música foi inspiração para padre Alessandro Campos

Em dois meses o CD de Padre Alessandro vendeu 800 mil cópias, e num país onde a pirataria impede que os cantores consigam vender seus trabalhos, está sendo uma excelente vitória.

Padre Alessandro disse que é através de seus shows leva alegria e bênçãos a todas as famílias e domingo, 23, estará mais feliz ainda por estar em “sua casa” e realizar um belíssimo show para todos os presentes.

“Deus te criou para ser feliz”

Todos os meses Padre Alessandro faz cerca de vinte shows e para conciliar os dias que ficará em Mogi das Cruzes (segunda-feira e quarta-feira) terá que fazer menos shows para poder conciliar todos os trabalhos que Deus lhe preparou.

O programa Aparecida Sertaneja é um dos maiores sucessos em audiência nas noites de terça-feira e para conseguir todo esse sucesso Padre Alessandro disse que ele mesmo se apresentou na TV Aparecida e mostrou seu trabalho que foi analisado e assim conseguiu uma oportunidade para mostrar seu talento em um dos maiores meio de Comunicação Católico do Brasil.


Justiça restaurativa - 12-11-2014

Nas prisões do Brasil, constatam-se superlotação, maus tratos, uso de drogas, mortes. Lugar destinado a infratores pobres, para os quais a justiça não tem pressa e os processos se acumulam. A população carcerária masculina soma cerca de seiscentos mil homens; só no Estado de São Paulo são duzentos mil. O contingente feminino aumenta rapidamente, atingindo cerca de trinta e cinco mil mulheres.

A pastoral carcerária marca a presença da Igreja católica nos cárceres. No País, são cerca de seis mil agentes: padres, freiras e leigos, entre os quais advogados e outros voluntários. Um trabalho sério e difícil, reconhecido e respeitado pelos presos, familiares, agentes penitenciários e poder público, com o qual se procura dialogar em busca de soluções. Haja vista, em São Paulo, a criação, há poucos anos, da defensoria pública e o fim do encarceramento em delegacias; e, no País, o recente fim das visitas vexatórias, das quais as vítimas são mulheres parentes de presos.

A pastoral, além de lutar pela humanização dos presídios, agilização do judiciário, mais prevenção que repressão, ressocialização por meio de trabalho em regime semiaberto e penas alternativas, vem, há pelo menos uma década, participando de uma proposta mais ousada: a justiça restaurativa.

Utópica, mas possível e necessária, a justiça restaurativa propugna menos presos e menos prisões, através de um envolvimento local e comunitário onde os envolvidos (vítima, agressor, familiares, comunidade) se comprometeriam na prevenção, mediação de conflitos e na reparação das ofensas e danos, com auxílio das diversas forças sociais, incluindo as igrejas.

O agressor teria que encarar e assumir o que praticou, sentir a dor dos atingidos, ser confrontado, num espírito de perdão e reconciliação, com o mal que fez, passando a ser ele próprio o primeiro agente de reparação do sofrimento que causou. É a superação dos mecanismos punitivos e “a interrupção dos processos de reprodução da violência no seio da justiça criminal”.

Esse método de conscientização vem acontecendo, fora e dentro dos presídios, com a participação de agentes penitenciários. Com a pastoral, atuam outras entidades: Escola de Perdão e Reconciliação, Centro de Direitos humanos de Educação Popular, Misereor (alemã), agência de consultoria e desenvolvimento social (Move), Superintendência dos Serviços Penitenciários (Passo Fundo-RS) e outras forças.

O sistema atual pune os pobres, não recupera e faz aumentar a espiral de violência; “a justiça restaurativa tem seu maior potencial transformador através do empoderamento comunitário fora do ambiente de judicialização dos conflitos, ou seja, visando a uma profunda mudança cultural nos modos de enfrentamento criminal”. É hora de apontar para novos e mais largos horizontes.

Dom Pedro Luiz Stringhini


12-11-2014

Pe. Alessandro Campos, da TV Aparecida, é a atração musical da

EVANGELIZAI – 2ª Festa Diocesana

No dia 17 de novembro, o bispo diocesano, Dom Pedro Luiz Stringhini, e o Pe. Alessandro Campos concedem uma coletiva de imprensa

No domingo, 23 de novembro, no Centro Municipal Integrado Deputado Maurício Najar (Antigo CIP), em Mogi das Cruzes, acontece a EVANGELIZAI – 2ª FESTA DIOCESANA, com o tema: “Com a Mãe Aparecida, celebramos Cristo Rei” e neste ano, terá como atração musical, o Pe. Alessandro Campos, apresentador do programa “Aparecida Sertaneja”, da TV Aparecida.

O sacerdote de 32 anos nasceu na cidade de Guaratinguetá/SP, mas mudou-se ainda criança com a família para Mogi das Cruzes, onde cresceu. Em 2007 (27 de janeiro), foi ordenado presbítero no Ordinariado Militar do Brasil, sendo padre da Arquidiocese Militar do Brasil.

Desde o dia 27 de outubro deste ano, a Arquidiocese firmou convênio com a Diocese de Mogi das Cruzes e cedeu o Pe. Alessandro Campos para exercer o ministério sacerdotal por cinco anos na Diocese de Mogi das Cruzes.

O presbítero tem Uso de Ordem para a diocese e é o responsável pela reforma e ampliação da Igreja de Santa Rita de Cássia da Paróquia Nossa Senhora do Socorro, em Mogi das Cruzes/SP.

A Festa Diocesana irá celebrar Solenidade de Cristo, Rei do Universo e também, a Diocese de Mogi das Cruzes irá receber a imagem peregrina de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, que está percorrendo as dioceses do Brasil como parte das celebrações dos 300 anos (1717-2017) em que a imagem foi encontrada no Rio Paraíba do Sul.

Ainda, a EVANGELIZAI será em Ação de Graças pelos dois anos da posse de Dom Pedro Luiz Stringhini como bispo diocesano, pelo Dia Nacional do Leigo e o 27º aniversário da Pastoral da Criança na Diocese.

A programação do dia 23 terá início às 9:00, com a chegada da imagem peregrina de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, em seguida, a Santa Missa, presidida pelo bispo diocesano e encerramento com a apresentação do Pe. Alessandro Campos.

No dia, serão colocadas barracas das pastorais e movimentos diocesanos para a venda de alimentos.

 

topo